17 de janeiro de 2021
Campo Grande 26º 23º

Escorpião

Quatro dias após morte na região, criança é picada por escorpião

Garoto de 10 anos passa bem após ter sido atacado pelo animal que foi achado dentro de suas calças

Um garoto de 10 anos foi picado por um escorpião na manhã desta terça-feira (27) quando ia para a escola, no Jardim Pagani, em Bauru (SP). Ele foi atendido na UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) do Jardim Bela Vista e passa bem após passar por atendimento.

O caso aconteceu quatro dias depois da quarta morte por picada de escorpião ser registrada na região e reacendeu o temor de moradores do Centro-Oeste Paulista.

No último sábado (24), uma menina de 9 anos morreu em Bariri após um acidente semelhante. Nicoly Stephanie da Silva Nicolai sofreu a picada enquanto brincava no quintal de casa, na zona rural da cidade, e se transformou na quarta vítima fatal da região neste ano.

Segundo a manicure Ivone Cristaldo, mãe do garoto picado em Bauru, a criança caminhava para a escola quando teria reclamado de uma picada na perna, provavelmente de formiga. Ao pedir ajuda da mãe, sua calça foi chacoalhada e o escorpião caiu no chão. O animal foi morto pela mãe do garoto.

A mãe pediu socorro ao Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas o garoto acabou sendo encaminhado para a UPA por uma professora da escola onde ele estuda. Na unidade, o garoto recebeu um bloqueio contra a dor, permaneceu em observação e passa bem.

A decisão da manicure de procurar atendimento urgente foi a adequada, segundo a infectologista Geovana Nogueira de Lima. Ela explica que o local da picada pode ser lavado com água e sabão, mas o mais importante é acionar o socorro especializado.

“A picada provoca uma dor intensa, e a pessoa pode até receber um analgésico. O principal mesmo é procurar por um atendimento médico. Quando for criança e tiver alterações do batimento cardíaco, na respiração, vômitos, então há a necessidade do soro ser aplicado o mais rápido possível”, explica a infectologista.

No início da tarde desta terça-feira, a Emdurb anunciou a sequência do trabalho de dedetização nos cemitérios municipais como forma de controle de escorpiões. A ação teve início no cemitério Redentor, seguindo para o São Benedito, Saudade e Cristo Rei.

A Emdurb orienta aos moradores das imediações dos cemitérios que é importante manter ralos de pias, banheiros e soleiras de portas fechados, bem como manter os quintais limpos, como forma de evitar a invasão e proliferação dos escorpiões para dentro das residências.

Antes da morte de criança no último sábado, o caso fatal mais recente no Centro-Oeste Paulista neste ano tinha sido registrado em Ourinhos, no final de outubro. Giovana Guedes Martins, de 4 anos, foi picada por um escorpião ao vestir a blusa de frio para ir à escola.

Giovana foi medicada e levada para observação na sala de emergência. Mas, seu estado de saúde piorou e ela não resistiu a paradas respiratórias.

Em Cabrália Paulista, a menina Yasmin Lemos Campos, de 4 anos, morreu após ser picada por um escorpião no quintal da casa onde morava, em julho deste ano. A menina passou por duas cidades e, em duas delas, não havia o soro.

Já em Barra Bonita, em abril, Brian Alves Gabriel, de 6 anos, também morreu após ser picado. Segundo o pai do garoto, não havia soro no hospital da cidade. E, cerca de 40 minutos após a sua entrada, ele foi transferido para a Santa Casa de Jaú, cidade vizinha.

Em Jaú, o garoto tomou o soro, mas não resistiu e morreu cerca de três horas depois de ter sofrido a picada.

Medida judicial
Em setembro, o Ministério Público Federal entrou com uma ação para que a União e o Estado de São Paulo disponibilizassem, pelo menos, seis ampolas de soro antiescorpiônico para cada um dos municípios da região de Jaú (SP).

Segundo o MPF, as cidades de Bariri, Barra Bonita, Bocaina, Dois Córregos, Igaraçu do Tietê, Itaju Itapuí, Mineiros do Tietê e Torrinha não possuíam doses em suas unidades de saúde. Os pacientes precisam se deslocar até a cidade de Jaú para receber o tratamento.

Dois meses depois da decisão do MPF, as cidades de Barra Bonita e Igaraçu do Tietê receberam as ampolas. O lote foi enviado pela Secretaria Estadual de Saúde e vai ficar no Hospital e Maternidade São José, em Barra Bonita.