20 de abril de 2021
Campo Grande 32º 19º

CULTURA

Reforma da Feira Central tem aporte conjunto de R$ 20 milhões

Bancada federal, governo do estado e prefeitura de Campo Grande contribuem para conquista

Um dos principais atrativos turísticos de Mato Grosso do Sul, a Feira Central de Campo Grande passou por vários desafios econômicos e de infraestrutura ao longo de seus 95 anos, muitos desses agravados pela pandemia do novo coronavírus. No entanto, representantes políticos regionais se uniram para destinar recursos públicos para o início das obras de uma nova Feira Central. O anúncio foi feito ontem (5.abril) em reunião de parlamentares e secretários com feirantes do atrativo.

A decisão é resultado de um esforço coletivo iniciado pela bancada federal de MS. Em fevereiro, deputados federais e senadores se reuniram e sinalizaram à Associação da Feira Central, Cultural e Turística de Campo Grande (Afecetur) a possibilidade de destinar uma emenda parlamentar para a execução de um projeto que existe desde 2016 para remodelação, modernização e ampliação da Feira.  

REPASSE 

Vander Loubet e Dagoberto Nogueira Vander Loubet e Dagoberto. Foto: Divulgação 

Na segunda-feira (5.abril), um grupo de autoridades esteve na Feira. De maneira presencial e representando a bancada federal, os deputados federais Vander Loubet e Dagoberto Nogueira anunciaram aos empreendedores locais a destinação de R$ 15 milhões de emenda impositiva de bancada, ou seja, recursos que deverão ser liberados até dezembro deste ano.

Ambos explicaram com detalhes como se dará o repasse e frisaram a grandiosidade desse passo rumo à construção de uma feira que gerará ainda mais empregos e renda, fortalecendo a economia e eternizando o legado dos pioneiros da Feirona.

Os que não puderam estar presentes também celebraram a conquista por telefonemas e mensagens de apreço. A deputada federal Rose Modesto e os senadores Nelsinho Trad e Soraya Thronicke enviaram vídeos aos feirantes parabenizando-os pela conquista.

O Governo do Estado também se uniu à bancada federal e, ontem, representado por Sérgio Murilo, titular da Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov) e Carlos Alberto de Assis, agora à frente da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul (Agepan), anunciou um aporte de R$ 5 milhões iniciais ao projeto. Com isso, a Feira contará com um total de R$ 20 milhões em recursos para a primeira etapa de obras.

A Prefeitura foi representada pelos secretários Rudi Fiorese, titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), e Max Freitas, à frente da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur), que também estiveram na reunião em nome do prefeito Marquinhos Trad.

DOIS PAVIMENTOS 

O projeto da nova Feira Central propõe um espaço que integra tradição, cultura local e valorização histórica com modernidade, tecnologia e beleza, despertando o público campo-grandense, sul-mato-grossense, além de turistas do Brasil e do mundo, para experiências inéditas.

Assim, será erguida uma Feira Central como se nunca viu, com atrativos culinários, de compras, lazer e informação, repletos de referências que enaltecem a cultura de Mato Grosso do Sul.

O novo projeto prevê uma estrutura de dois pavimentos com mais de 5.000 metros quadrados de área construída cada um, gerando emprego e renda não apenas no momento de sua execução, mas também nos negócios fixos gastronômicos, culturais e comerciais que funcionarão dentro desse espaço arquitetônico inédito e totalmente modernizado. Mais detalhes serão anunciados nos próximos dias em conjunto com parceiros da Feira Central.

A expectativa é que os processos de licitação sejam abertos ainda no primeiro semestre deste ano e as obras iniciadas até dezembro.