16 de abril de 2021
Campo Grande 32º 20º

Meio Ambiente

Seminário promove debates e apresenta dados sobre saneamento em MS

Quatro milhões de brasileiros ainda não têm acesso a um banheiro. Todos os dias, o Brasil lança na natureza o equivalente a mais de cinco mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento. Estes são alguns dados apresentados nesta quinta-feira (02) no 1º Seminário Estadual de Saneamento e Saúde. Representante do Instituto Trata Brasil, o diretor de comunicação Rubens Filho, falou sobre os impactos econômicos da universalização do saneamento no Brasil. O evento, promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes/MS), Funasa (Fundação Nacional de Saúde) e Governo do Estado, comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (05 de junho) e foi realizado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA/MS).

Conforme levantamento do Instituto Trata Brasil, mais de 100 milhões de brasileiros vivem sem acesso ao sistema de esgotamento sanitário. “O instituto existe para promover uma mobilização sobre a importância de se dar atenção ao saneamento em nosso país. O saneamento é a infraestrutura mais atrasada há décadas no Brasil, então nossa missão é justamente trazer à tona os dados para mostrar o tamanho do problema que a gente tem e quais são os passos futuros, o que a gente pode fazer para melhorar”, resumiu Rubens Filho, que mostrou ainda como os investimentos em água tratada e rede de esgoto influenciam na economia regional.

“Para universalizar estes serviços em Mato Grosso do Sul, são necessários investimentos de aproximadamente R$ 4 bilhões. Porém, calcula-se que o retorno em benefícios seria de R$ 6 bilhões”, apontou. Conforme o Instituto Trata Brasil, saneamento básico adequado traz valorização imobiliária, fomenta o turismo, melhora a produtividade dos trabalhadores e melhora o rendimento escolar dos estudantes.

Palestras

A redução do índice de internações por doenças diarreicas e a relação com a universalização do saneamento em Campo Grande foi tema de outra palestra apresentada no seminário. O coordenador de Meio Ambiente da concessionária, Fernando Henrique Garayo Jr., falou sobre a experiência da empresa que faz a gestão dos serviços de água e esgoto na Capital há 15 anos. Com investimentos na expansão do esgotamento sanitário, os índices de internações por doenças diarreicas caiu 86% em 10 anos.

“É importante a gente passar estes dados sobre saneamento e debater isso em um seminário. Essas pessoas são formadoras de opinião. Elas têm o potencial de repassar isso para a sociedade, por isso é muito válido apresentar dados, explicar sobre saneamento e a relação com a saúde