MS Notícias

quarta, 08 de julho de 2020

Educação

Sista/MS discute ponto eletrônico, 30 hs e paridade do voto, com reitoria da UFMS

Por: Tero Queiroz09/10/2018 às 11:24
ComentarCompartilhar
Foto: Divulgação/Assessoria

A uniformização das 30 horas semanais para os servidores da UFMS, ponto eletrônico, redimensionamento da força de trabalho e paridade do voto para eleição de reitor, foram alguns dos assuntos discutidos pela direção do Sista/MS MS (Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Institutos Federais de Ensino de MS) com o Reitor Marcelo Augusto Santos Turine e a Vice-Reitora, Camila Celeste Brandão Ferreira Ítavo.

Presentes também à reunião, a Pró-Reitora de Gestão de Pessoas, Carmem Borges Ortega, os coordenadores do sindicato, Waldevino Basílio, Diana Passos, Nivalci Barbosa e membros das comissões sobre as 30hs e Redimensionamento da força de trabalho, formados por técnicos administrativos.

Depois de quase duas horas de intensa discussão em que a direção do Sista/MS mostrou a importância da tomada de decisões a respeito desses assuntos para o bom andamento dos serviços no complexo universitário federal em Mato Grosso do Sul, chegou-se a um consenso com relação a cada uma das questões levantadas.

30 horas

Um dos assuntos mais polêmicos discutidos entre a reitoria e a coordenação do Sista/MS foi a questão da flexibilização da jornada de trabalho para todos os servidores da UFMS. O sindicato pediu empenho da reitoria para implantar essa medida que tem amparo legal, segundo argumentaram os coordenadores e os representantes dos técnicos administrativos.

No final das discussões o reitor Marcelo Turine explicou que ele não é contra a implantação das 30 Horas desde que tenha amparo legal e que o Ministério Público tem cobrado nos Estados brasileiros para que as universidades não sejam prejudicadas com essa medida. “A lei diz que se não houver prejuízo para a universidade, podemos adotar as 30 horas. Mas não é fácil assim. Precisamos de um estudo minucioso sobre o assunto”, afirmou o reitor.

A implementação das 30 horas tem que estar ligada ao estudo do redimensionamento da força de trabalho reafirmou o reitor. Informou  que esse estudo foi realizado na FAENGE como projeto piloto, pelo Ministério do Planejamento em conjunto com a Universidade de Brasília (UNB). A ideia é ter um “dimensionamento” da força de trabalho e identificar onde há excesso ou déficit de pessoal.

O Sista cobrou maior agilidade para que o redimensionamento seja realizado para toda universidade. O reitor explicou que está aguardando somente a devolutiva da UNB e que após a conclusão do projeto o sistema será implantado para os outros setores da universidade.   

Membros do Sista/MS, que fazem parte dessa comissão das 30 horas e do redimensionamento da força de trabalho, em conjunto com os técnicos administrativos, se comprometeram a ajudar a acelerar os estudos, principalmente após a devolutiva da UNB e fiscalizar todo o processo, para tornar as 30 horas possível aos servidores da UFMS.

Ponto eletrônico

O Sista MS questionou a isonomia entre os técnicos administrativos e os docentes em relação ao ponto eletrônico. O reitor explicou que o Ministério Público Federal está cobrando um sistema mais seguro e claro sobre a frequência de servidores da UFMS, incluindo os professores e que o sistema utilizado era deficiente. “Procuradores do MPF afirmam que o sistema atual era complicado porque não demonstra um controle correto de quem está trabalhando e onde”, afirmou o reitor.  A vice-reitora Camila explicou que com a desativação do PADOC foi implantado um sistema de consulta pública, ela informou que pelo site https://siai.ufms.br/plano-atividades/consulta-publica, todos têm acesso ao cronograma contendo, local e horário do docente.

Sobre a paridade

Depois de intensa discussão sobre o modelo paritário nas eleições em que os votos de professores, alunos e servidores teriam o mesmo peso, sem distinção entre os segmentos, o reitor afirmou que não tem como tomar essa decisão sem efetuar uma mudança no estatuto da universidade. A direção do Sista/MS concordou que estatuto está ultrapassado, porém lembrou que esta era uma proposta da eleição do reitor Turine e que já está na hora das universidades federais serem realmente democráticas. A coordenadora de Comunicação Diana Passos informou que 68 % das Universidades Federais adotam o sistema paritário em suas eleições para reitor. Salientando que é inadmissível nos dias atuais uma instituição que trabalha com formadores de pessoas possa ainda ter em seu sistema eleitoral um processo tão antidemocrático e desigual.

Ficou definido, sobre esse assunto, que os sindicatos em conjunto com técnicos administrativos irão se reunir para discutir e apresentar sugestões de mudanças especialmente na questão administrativa do estatuto. Este relatório será entregue até o fim de janeiro de 2019, para ser apresentado na nova construção da nova Estatuinte.  O coordenador geral do Sista/MS, Waldevino Basílio enfatizou que esses estudos e mudanças do estatuto precisam ser feitos com urgência e fora do período eleitoral da UFMS, para não parecer intenção política de qualquer lado.

A direção do Sista/MS considerou positiva a reunião com a reitoria da UFMS e pediu que novos encontros dessa natureza sejam estabelecidos para discutir e chegar a um consenso sobre as questões de interesse dos servidores que são, de fato, o maior patrimônio da universidade.

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma