17 de junho de 2021
Campo Grande 26º 15º

Infraestrutura

Três empresas recebem R$ 13,1 milhões para 'cobrir ruas' sem asfalto na Capital

"O resultado da licitação aponta que algumas empresas irão receber a mais que as outras"

A- A+

Três empresas venceram parte da licitação da Prefeitura para fazer a manutenção das ruas não pavimentadas de Campo Grande. Ao todo, as empreiteiras devem receber R$ 13,1 milhões pelos serviços.

A Engenex Construções e Serviços venceu dois lotes da licitação, para cobrir as ruas não pavimentadas da região do Imbirussu, por R$ 2,3 milhões, e do Lagoa, por R$ 3,4 milhões.

Já a Gradual Engenharia e Consultoria vai receber R$ 3,8 milhões para manutenção das ruas sem pavimento do Prosa, e a Construtora Rial ganhará R$ 3,4 milhões para executar os serviços no Anhanduizinho.

Não foram classificadas empresas para operar nas regiões do Bandeira e do Prosa. As empreiteiras A.L. dos Santos & Cia e Construtora Rial apresentaram propostas, porém retiraram os documentos antes do resultado do certame.

Ao todo, a Prefeitura poderia pagar até R$ 30,9 milhões pela execução dos serviços, segundo o edital da licitação. São mais de 1,1 mil quilômetros de ruas sem asfalto em Campo Grande que serão atendidas com manutenções.

Em abril, a Prefeitura divulgou a lista das empresas habilitadaspara participação na concorrência pública. Foram onze empresas que participaram do certame, algumas delas investigadas.

Diferentes custos

O resultado da licitação aponta que algumas empresas irão receber a mais que as outras pelo total de quilômetros cobertos pelos serviços de manutenção. Ao todo, a Prefeitura pagará R$ 17,7 mil pela manutenção de cada km não pavimentado nas quatro regiões.

No Anhanduizinho, a Construtora Rial vai receber R$ 12,7 mil pela manutenção de cada km. A região é, de todas as seis regiões urbanas da Capital, a que tem mais ruas sem asfalto – são 272 km de pistas.

A mesma empresa, Engenex Construções e Serviços vai receber R$ 19 mil pela manutenção de cada km de pista no Lagoa, e R$ 20,8 mil por cada km na região do Imbirussu.

Já na região do Segredo, o custo pela manutenção do km sem asfalto sairá por R$ 21,9 mil, o maior entre as quatro regiões. A vencedora do lote foi a Gradual Engenharia.

Segundo o edital da licitação, a composição dos preços das empresas é definido pelos equipamentos a serem utilizados, pelas equipes, pela produção de mistura e pelos procedimentos executivos (limpeza, revestimento, acabamento, entre outros).