06 de agosto de 2020
Campo Grande 31º 17º

ASSUSTADOR

Vídeo: 'cobras voadoras' é notícia de 2014 desvendada pela ciência

A espécie é venenosa e pode planar por até 24 metros

A poucos dias, em 4 de julho de 2020 voltou à tona notícia sobre suposto surgimento de cobras voadoras na Tailândia. No entanto, a descoberta já tem ao menos 4 anos desde a divulgação de estudo científico, em que se explica o como essas cobras conseguem planar no ar, saltando de uma árvore para outra, em um trajeto de até 24 metros. 

Cientistas solucionaram o mistério de como as cobras 'voadoras' conseguem permanecer no ar.

Esses répteis raros, encontrado em florestas do sudeste da Ásia, conseguem se arremessar de árvores e planar, de forma elegante, pelo ar.

Segundo os cientistas, as serpentes mudam radicalmente o formato do seu corpo para gerar a força aerodinâmica necessária para a proeza.

As descobertas foram divulgadas na publicação científica Experimental Biology.

Jake Socha, professor da Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos, que liderou o estudo, disse: "A cobra definitivamente não é um planador intuitivo. Quando você olha, você diz: 'esse animal não deveria conseguir planar'. E em sua forma normal, isso provavelmente é verdade."

"Mas quando ela entra no ar, quando ela decola, pula, e salta de um galho, ela transforma completamente o seu corpo."

Existem cinco espécies de cobras voadoras, e todas fazem parte do gênero Chrysopelea. Conhecida como “as cobras das árvores do paraíso”, apesar de serem venenosa.

Pesquisadores hoje acreditam entender como essa cobra pode planar pela selva ao invés de rastejar pelo chão.

Socha disse: "Quando ela pula, ela retrai o corpo a partir da parte de trás da cabeça até a ponta da cauda. O que ela faz é girar suas costelas para frente em direção à cabeça e para cima em direção à coluna."

Os cientistas então analisaram as forças aerodinâmicas que esta forma alterada gera no ar. Eles criaram uma cópia de plástico da cobra em seu formato ondulado e colocaram-na em um tanque de água corrente.

"A água fluiu sobre ela e medimos as forças do modelo, visualizando também o movimento do fluxo na água, usando lasers e câmeras de alta velocidade", explicou o Socha.

Ele disse que a cobra produziu uma força aerodinâmica comparável, em escala reduzida, à criada por uma asa de avião.

A equipe acredita que a cobra combina essa transformação física com uma "dança flutuante" para voar através da copa das árvores.

"Ela está movendo sua cabeça de um lado para o outro, fazendo ondas em direção a parte inferior de seu corpo, e parece que ela está nadando no ar", disse Socha.

Os cientistas dizem que a cobra poderia ajudar a inspirar o desenvolvimento robótico, e criar máquinas que podem potencialmente rastejar, escalar e planar.

Fonte: BBC News