30 de outubro de 2020
Campo Grande 24º 18º

Depois de embate na Câmara, Bolzan reúne grupo político e decide apoiar pré-candidatura de João Gran

Pelo visto as forças políticas do Partido dos Trabalhadores com suas alas e facções, tendem a trilhar por caminhos não tão paralelos num cenário de disputa por vaga na Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul. O petista Edivaldo dos Santos, apesar das declarações públicas de apoio a sua pré-candidatura ecoada pelo quarteto do SDD, não terá esta mesma unidade no partido o qual foi eleito vereador nas eleições de outubro de 2012. O sindicalista Sergio Trineu Bolzan, após o término da sessão ordinária da Câmara Municipal desta segunda-feira (19) tratou de reunir seu grupo político da – ala sindicalista – para tomar decisão na escolha do deputado estadual que apoiará nas eleições de outubro deste ano. Em reunião que durou pouco mais de 40 minutos na residência de um de seus assessores, Bolzan declarou que vai pedir voto a João Grandão, pré-candidato a deputado estadual. Em contato com a reportagem do regiaonews, o sindicalista diz não ser contra a decisão de seu colega de bancada em buscar seu espaço no cenário estadual, mas há compromissos políticos já firmados que não podem ser desfeitos. João Grandão deve se afastar do cargo de delegado federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no mês que vem, para disputar a eleição. Com a medida, diminui-se o grau de envolvimento do PT de Sidrolândia na pré-candidatura de ‘Vadinho’, isso porque, além de Bolzan, o secretário de Desenvolvimento Rural Cezar Queiroz, deve embarcar no ‘buzão de Grandão’, uma perda considerável no palanque do vereador petista que traz em sua bagagem como principal bandeira a luta por melhores condições de vida no campo, de onde é originário. O ex-vereador Jean Nazareth, que chegou a sinalizar na época em que presidiu a Câmara Municipal certo estreitamento político com Edivaldo dos Santos, (‘Vadinho’ foi seu assessor) também já declarou apoio ao ex-prefeito de Dourados e atual deputado estadual Laerte Tetila. Até agora de concreto não há nenhuma declaração pública de correligionários políticos do petista que demonstre entusiasmo a sua embrionária trajetória rumo ao Palácio Guaicurus. Não há outra leitura a se fazer, mesmo que superficial; a julgar pelo comportamento das forças políticas do PT em se tratando de sua pré-campanha, que ‘Vadinho’ está literalmente isolado da conjuntura politica das principais lideranças do PT municipal. A debandada de seu futuro palanque pode ter ligações com seu posicionamento de enfrentamento ao governo de dezembro de 2013 pra cá, quando resolveu se unir a bancada de oposição na Câmara. Desde então o vereador vem enfrentando dificuldades de diálogo dentro do partido que ocupa duas secretarias e cargos no segundo e terceiro escalão da Prefeitura. ‘Vadinho’ chegou a tornar público durante encontro estadual do PT em Campo Grande, seu descontentamento com alguns integrantes do partido e ameaçou bater as portas da Executiva Nacional para que intervenha no município determinando a imediata entrega dos cargos que ora ocupam, porque há uma resolução interna que proíbe aliança com PSDB, sob pena de expulsão. Região News