23 de abril de 2021
Campo Grande 31º 19º

Posse de terra

Índios Guarani Kaiowá ocupam fazenda em Juti

A- A+

Desde a madrugada de sexta-feira (15), índios Guarani Kaiowá ocupam a fazenda Brasília do Sul, que fica no município de Juti – distante 320 quilômetros de Campo Grande. Eles reclamam a posse do território. Na tarde deste sábado uma equipe do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) enviou quatro militares para fazenda.

A propriedade é chamada pelos índios de Taquara. Eles saíram da área na qual tinham permissão da Justiça para permanecer e seguiram para perto da sede. No sábado (16), homens do DOF estiveram no local facilitando a entrada e saída de funcionários da fazenda, pois os índios haviam interditado a estrada, segundo o gerente, Ramão Cristaldo.

 “Precisamos da Polícia Federal aqui, mas nosso advogado já entrou em contato e eles não vieram. Ficamos alumiando e fazendo movimento com veículos, tentando impedir que eles viessem para as casas da fazenda. Um pouco das famílias com crianças pequenas e mulheres gestantes que moram na sede da fazenda deixou suas casas com a presença do DOF, que escoltou as famílias para passar pela estrada bloqueada pelos índios”, contou o funcionário da fazenda de acordo com informações do site FátimaNews.

Ramão reclama a presença da Polícia Federal no local, pois o DOF não tem autonomia para esse tipo de ocorrência. “Nós precisamos da PF aqui e os índios também querem isso. Ontem eles só não avançaram para a sede, porque nós ficamos alumiando e fazendo movimento com as caminhonetes”, disse.

Ainda de acordo com informações o gerente afirma que os funcionários que fazem rondas com os veículos não estão armados e os índios usam espingardas. Em contrapartida, uma indígena, que preferiu não se identificar, disse hoje que as famílias são atacadas por pistoleiros.

Taquara 

A propriedade foi ocupada inicialmente em 1997 e quatro anos depois, em outubro de 2001, os indígenas foram expulsos e passaram a viver sob lonas ao lado de uma rodovia. No início de 2003, a comunidade resolveu retomar a propriedade que consideram como seu território tradicional.

Em janeiro de 2003, na fazenda Brasília do Sul, o kaiowá Marcos Veron, foi assassinado com 72 anos de idade. O líder passou a vida tentando recuperar a terra, que teve boa parte da floresta desmatada, na área chamada de Taquara, em Juti. Então, eles passaram a viver sob lonas de plástico às margens da rodovia.