22 de junho de 2021
Campo Grande 28º 16º

Mesmo gastando R$ 1 mi ao mês em transporte, alunos da área rural não conseguem chegar à escola

A- A+

Desde o começo da semana, alunos que moram na área rural do Distrito de Arapuá, distante 45 km de Três Lagoas, não conseguem chegar à escola do distrito devido à má conservação e precariedade em que se encontram as estradas não pavimentadas daquela localidade.

Exemplo disto são as fotos enviadas à redação que comprovam o descaso da administração municipal. As imagens foram registradas às 11h10min desta segunda-feira (06). Cerca de 18 alunos estavam no interior do ônibus da empresa Kalunga quando tiveram um susto.

O ônibus caiu em uma cratera existente a menos de 02 km do distrito, na região da “serraria” na MS- 512. Alunos tiveram que ficar por horas no aguardo de socorro e diante a situação, perderam o dia de aula.

Devido ao grave problema, os estudantes da área rural ainda não estão conseguindo chegar na escola de Arapuá e conforme o denunciante, estão perdendo provas nesta semana.

"Quem mora nas fazendas está sem aula. Isto é um absurdo. A prefeita como professora tinha que dar exemplo na educação do nosso município. Será que os filhos da prefeita precisam de ônibus para irem a escola", desabafou um sitiante e pai de uma aluna.

CONTRATO MILIONÁRIO

O trajeto feito pelo ônibus do Distrito de Arapuá percorre diariamente cerca de 260 km (ida e volta) nas fazendas da região e é considerada a maior linha escolar do município de Três Lagoas, feito através de um convênio entre o Governo Estadual e Municipal, que fica obrigado em transportar diariamente estes alunos, seja da rede municipal ou estadual.

O convênio entre Prefeitura e a empresa Kalunga, repassa mensalmente a referida companhia R$ 1 milhão e conforme o contrato, a empresa disponibiliza ao transporte dos estudantes, 40 ônibus e outros cinco reservas, fazendo quarenta linhas rurais na jurisdição de Três Lagoas.

"Não adiante a prefeitura gastar R$ 1 milhão no transporte e não dar suporte nas estradas. Há anos estamos esquecidos aqui em Arapuá", explicou o denunciante.

MÁ CONSERVAÇÃO DAS ESTRADAS

Conforme publicação oficial no site da Prefeitura Municipal (www.treslagoas.ms.gov.br), a gestão do PMDB de Márcia Moura não realiza o trabalho de manutenção nas estradas rurais desde o dia 22 de Maio de 2013.

A última obra da atual prefeita nas estradas rurais foi executada pelo Departamento de Desenvolvimento Rural (DDR) e na época, em 2013, foi feita a inclusão de uma ponte sobre o Córrego “Pombinho”, na fazenda Berrante de Ouro, na região do “Pombo”. Na ocasião, foram gastos na ponte de madeira mais de R$ 184 mil.

A partir daí, patrolamentos, nivelamentos, reformas em postes, entre outros não foram feitos pela professora Márcia Moura.

Enquanto o Poder Público Municipal não toma providências para solucionar o caso, os alunos da região do Arapuá ficarão sem condições de irem a escola. Os pais dos estudantes pensam em fazer uma manifesto na estrada MS-5123 para chamar a atenção das autoridades em Três Lagoas e evitar, que os estudantes percam mais dias de aula.