25 de setembro de 2020
Campo Grande 36º 22º

Naviraí: Como cão e gato, prefeito e vereador discutem na porta de prefeitura

Ontem à tarde, o prefeito de Naviraí Leo Matos (PV) discutiu com o vereador Cícero dos Santos (PT), o Cicinho em frente a prefeitura do município.Tudo começou quando o prefeito viu Cicinho conversando com a gerente de habitação do município Vera Braga sobre a participação da mesma na sessão da próxima semana na Câmara de Vereadores para prestar explicações sobre um requerimento do vereador Carlos Alberto Sanches (SDD) sobre supostas irregularidades na área de habitação do município.

Segundo o assessor de imprensa do prefeito Leo Matos, o prefeito e Cicinho, que também é presidente da Câmara, são como "cão e gato" e as brigas entre os dois são constantes. Conforme o assessor, Cicinho briga com todo mundo até com seus colegas na Câmara. Já o vereador Cicinho, a princípio, negou que tivesse  havido a desavença, embora, pessoas que estavam ao próximas aos dois, afirmam terem os vistos discutir verbalmente e alguns falam até em agressão física.

Questionado mais uma vez sobre o que aconteceu ontem, Cicinho disse que o prefeito se intrometeu na conversa entre ele e Vera e os dois acabaram discutindo. "Nada de mais, eu da minha parte não tenho nada contra a pessoa do prefeito. O que aconteceu em frente a prefeitura foi apenas uma discussão em vos alta", afirma. No entanto, segundo o vereador, o prefeito tem certas dificuldades em receber vereadores e tem se demonstrado incomodado com os requerimentos apresentados pelos mesmos.

"O prefeito não pode reclamar da Câmara. Nós aprovamos esta semana uma suplementação de 25% do orçamento, e a contratação de 50 funcionários comissionados, o que deve acontecer na próxima semana, mas os vereadores têm como função fiscalizar. Tem gente que não gosta de ser fiscalizado", diz Cicinho. Conforme o presidente da Câmara de Naviraí, o prefeito sempre teve um temperamento nervoso, explosivo. "Ultimamente ele anda nervoso, volta e meia ele dá ataques e demonstra sinais de autoritarismo", afirma o vereador.

Cicinho que garante não ter problema com a verdade diz que não pode falar pelos outros vereadores da Casa, mas que, atualmente, de todas as indicações apresentadas por ele durante a atual legislatura, cerca de 10% foram atendidas pelo prefeito Léo Matos. O prefeito Léo Matos entrou em contato com o MS Notícias e explicou que não houve briga e sim uma discussão verbal. "O que aconteceu foi que ele estava conversando com a diretor da agência de habitação e eu ouvi a conversa e fui explicar a ele que aquelas pessoas que receberam casas da prefeitura e venderam as casas ou os terrenos terão de devolver, se não nunca conseguiremos acabar com déficit de habitação", afirma Léo Matos.

O prefeito conta que não sabe o porquê o vereador Cicinho se exaltou e ficou nervoso quando ouviu sobre a devolução das casas. "Me causou surpresa ver que ele ficou nervoso. Eu sinceramente não o porquê". Léo Matos afirma inclusive que o vereador não possui motivos para reclamar dele enquanto prefeito, pois tudo o que os vereadores têm solicitado para atender a população tem sido feito, e explica que ele foi eleito para governar e atender  população e não apenas alguns indivíduos.

Embora não esclareça o motivo do comportamento do vereador Cicinho, que é seu amigo de infância conforme explica, o prefeito Léo Matos dá sinais em sua fala de que a mudança de comportamento pode ter cunho eleitoral. "Aqui cada um nessas eleições egue seu caminho, o PT segue seu caminho, o PMDB segue seu caminho e eu sou um grande admirador do Nelsinho e provavelmente caminharei com ele nestas eleições", afirma. Léo Matos, no entanto, é filiado do PV, partido que já declarou apoio ao pré-candidato do PT ao governo do Estado Delcídio do Amaral.

*Editada às 17h30 para acréscimo de informações 

Heloísa Lazarini