14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

Operação Amazônia Azul já vistoriou mais de 160 embarcações no Pantanal

A- A+

A Marinha do Brasil está realizando esta semana a segunda edição da Operação “Amazônia Azul”. Com a missão de intensificar a fiscalização do cumprimento de leis e reprimir ilícitos em águas jurisdicionais brasileiras, a operação reúne em todo o País, cerca de 15 mil militares, 50 navios, 10 aeronaves e 200 embarcações da Capitania dos Portos.

Em Corumbá e Ladário, áreas de atuação do Comando do 6º Distrito Naval, em dois dias de operação, 166 embarcações já foram inspecionadas, emitidas sessenta notificações e um barco foi apreendido. Os números foram informados durante coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (04) pelo comandante do 6º DN, contra-almirante Edervaldo Teixeira de Abreu Filho.

A operação conta com o apoio da Policia Federal, Policia Militar Ambiental, Ibama, Defensoria Pública, Iagro, Tribunal de Justiça de MS, Ministério Público Estadual, três adestradores e um cão farejador da Força Nacional de Segurança de Ponta Porã, além de oficiais da Marinha da Bolívia e do Paraguai.

“Estamos intensificando a fiscalização tanto de ilícitos como o cumprimento da legislação para melhorarmos o tráfego aquaviário aqui na região. O objetivo não é reprimir, mas orientar. Logicamente que em algumas situações tem que ser repressiva porque aqueles que comentem algum tipo de ilícito têm que ser notificados”, disse o contra-almirante.

Segundo o Diário Corumbaense, a operação Amazônia Azul teve início na segunda e vai até sexta-feira deste mês. “Acho que vamos ter melhores resultados que em 2014, por isso iniciamos a operação antes e não divulgamos para que a fiscalização não fosse comprometida”, completou o contra-almirante.

O delegado-chefe da Polícia Federal em Corumbá, Sérgio Macedo, destacou o trabalho desenvolvido em parceria. “Esse trabalho conjunto com outros órgãos surte bons resultados com a possibilidade de chegarmos aos locais de difícil acesso”, explicou.  

Para o Ibama, a operação veio na hora certa, pois com o início da temporada de pesca, muitas atividades ilegais podem ser coibidas e o desempenho do órgão melhora com a ajuda não só da Marinha.”A operação veio num momento positivo porque ela coincidiu com a abertura da pesca e essa integração dos órgãos de segurança pública com as forças armadas, proporciona um melhor desempenho das nossas funções na área da fiscalização”, frisou Gilberto Costa, chefe do órgão na cidade.

No Porto Geral de Corumbá, as embarcações da Marinha fazem a fiscalização dos barcos de pesca 24h, a fim não só de orientar o pescador, como também inibir práticas ilícitas. “A operação é fundamental para nós intensificarmos as atividades que já realizamos nos 365 dias do ano, para garantir a segurança do tráfego aquaviário.

Agora, estamos reforçando isso, buscando verificar se a embarcação está regularizada na Capitania; se o condutor está habilitado a conduzir aquele tipo de embarcação; verificamos se está cumprindo todas as regras de segurança, como o uso do colete salva-vidas e também a poluição hídrica do meio ambiente”, explicou o capitão de fragata Carlos Rodrigues Servera, comandante da Capitania Fluvial do Pantanal.

Contingente local

Na área de atuação do 6º Distrito Naval, em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, a Operação Amazônia Azul está empregando 10 navios, 2 aeronaves, 600 militares e 23 embarcações. A Marinha também realiza ações cívico-sociais, direcionadas para a população ribeirinha com atendimento médico e odontológico.