03 de agosto de 2021
Campo Grande 30º 14º

Prefeito reivindica do Incra R$ 27 milhões para recuperar 782 km de estradas vicinais

A- A+

O prefeito Ari Basso aproveitou a passagem por Sidrolândia do presidente do Incra, Carlos Guedes, para reivindicar a aprovação de projetos no valor R$ 27 milhões, recurso que pretende destinar a abertura de travessões e a conservação de 782 quilômetros de estradas vicinais nos assentamentos. A resposta de Guedes não foi muito além do tradicional “vamos estudar”,  com a  menção de que o Ministério do Desenvolvimento Agrário ajudou o município com  duas máquinas (uma patrola, uma retro-escavadeira) e um caminhão caçamba. Segundo o secretário municipal de Infraestrutura, Habitação e Transporte, Antônio Galdino (foto), a prefeitura não tem recursos financeiros, nem de equipamentos, para fazer a manutenção de 2 mil quilômetros de estradas municipais, das quais 640 quilômetros em assentamentos, 400 apenas no Complexo Eldorado, além da área urbana. Hoje o parque rodoviário municipal é restrito a cinco caminhões, sete patrolas e duas pás-carregadeiras. “Precisaríamos de pelo menos o dobro de equipamentos”, admite Galdino. Hoje, só com combustível há um custo mensal de R$ 40 mil que só não é maior, por falta de estrutura para ampliar o serviço. O caminhão caçamba mencionado pelo presidente do Incra, como exemplo do “apoio federal” à Prefeitura para manutenção das estradas dos assentamentos, na realidade, conforme informa Galdino, é utilizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural no  transporte de calcário para os assentados que custeiam metade dos gastos com óleo diesel. Só neste ano foram trazidas de Bonito 240 toneladas do insumo. As propostas encaminhadas ao Incra  estão divididas em quatro projetos. A de número 037.047/2014, por exemplo, prevê a destinação de R$ 3.673.186,18, para  implantação de 29 quilômetros e recuperação de sete quilômetros de estradas vicinais e acesso ao recém-criado assentamento Nazaré, localizado a mais de 70 quilômetros da área urbana, na tríplice divisa de Sidrolândia, Campo Grande e Nova Alvorada do Sul. O recurso garantiria ainda a manutenção de 55 quilômetros de estradas vicinais e o acesso aos assentamentos Geraldo Garcia e Santa Lucia. Uma das estradas projetadas é a de ligação entre o Nazaré é o Assentamento Alambari, para reduzir em pelo menos 30 quilômetros o acesso destas famílias a cidade. Hoje os assentados (que na realidade estão só acampados desde dezembro na sede da propriedade com aval do Incra), para vir a Sidrolândia tem que recorrer a BR-163, entrar na  MS-258, para então, chegar a região do Capão Seco e enfim, atingir a BR-060 e chegar ao centro da cidade. Por conta da distância, as crianças do assentamento estudam na Escola Municipal Izauro Bento Nogueira, no distrito de Anhandui (município de Campo Grande), que fica a 15 quilômetros. O segundo projeto, com orçamento de R$ 4.256.720,82, seria voltado para recuperar 131 quilômetros de vicinais  nos assentamentos Barra Nova, Estrela, Santa Terezinha, Vista Alegre e Valinhos. Uma parcela de R$ 5.915.257,13 dos recursos pleiteados pela Prefeitura junto ao Incra, garantiriam 182 quilômetros de obras viárias nos assentamentos Capão Bonito, São Pedro e Vacaria. A maioria do investimento solicitado, no valor de R$ 12,2 milhões, atenderia com melhores estradas vicinais o complexo Eldorado, abrangendo Eldorado II, Eldorado Parte, Alambari e Jibóia. Por conta do calendário eleitoral, estes projetos, se vierem a ser aprovados, só serão liberados em 2015. Ano passado, o superintendente regional do Incra, Celso Cestari, chegou a anunciar que havia uma disponibilidade de R$ 90 milhões para obras de infraestrutura nos assentamentos de Mato Grosso do Sul, mas praticamente nada se concretizou. Região News