20 de junho de 2021
Campo Grande 25º 13º

Dourados

Servidores da educação realizam paralisação e podem entrar em greve

A- A+

O Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação de Dourados) paralisará as atividades no próximo dia 15. O ato, de acordo com a categoria, ocorre pela falta de diálogo do poder executivo com os educadores, o não cumprimento de acordos com o setor administrativo e em apoio a luta nacional contra o Projeto de Lei 4330, que trata da regulamentação do serviços terceirizados no país.

“Com os professores o prefeito cumpriu o mínimo previsto. Já para o administrativo não foi cumprido a lei de 30 horas da categoria e a nem a retomada das negociações sobre a PCCR (Plano de Cargos, Carreira e Remuneração) ainda no mês de fevereiro deste ano”, citou a educadora e diretora do Simted Gleice Jane Barbosa em visita aoDourados News na tarde desta sexta-feira (10).

Ela afirma que a data do movimento foi escolhida para acompanhar o ato nacional que ocorre na data contra a terceirização, que também é um ideal defendido pela classe. “Aproveitamos a oportunidade para apoiar a causa e juntamente lutar pelas nossas reivindicações. A terceirização prejudicaria muito, pois, não valoriza os profissionais e no ano passado nosso prefeito chegou a dizer que iria terceirizar a classe”, ressaltou.

Quanto as ações que serão realizadas no dia de paralisação, a presidente afirma que serão definidas em assembleia.

Em julho de 2014 administração e educadores travaram uma pequena guerra que chegou a paralisar as atividades na Reme (Rede Municipal de Ensino) de Dourados. No final de outubro, outro embate envolveu os dois lados e foi preciso intervenção por parte da Câmara de Vereadores para que os alunos não fossem prejudicados com o ano letivo.

Para Gleice, a falta de diálogo com a prefeitura pode resultar em outra paralisação por dias na Reme.

“É uma situação complicada para nós educadores. São posturas antidemocráticas e que nos causam estranheza. Se não houver posicionamento diante das solicitações não descartamos nova greve”, destacou.