22 de abril de 2021
Campo Grande 29º 18º

Corumbá

Traficantes usam pessoas com doenças graves para transportar drogas

A- A+

O poder do tráfico de drogas na fronteira em Mato Grosso do Sul tem feito várias vítimas no Estado. O Ministério Público Estadual ofereceu denúncia contra quatro pessoas, que posteriormente foram presas, no Município de Corumbá, por estar colaborando com o tráfico de drogas.

De acordo com os autos, organizações criminosas aliciavam pacientes, ou seja, pessoas portadoras de doenças graves e que precisam realizar tratamento médico-hospitalar em Campo Grande, em ônibus fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde, para transportar drogas.

Dentre os vários réus, Ivan Menacho Dias possui Hanseníase e frequentemente viajava para Campo Grande, com passagem paga pelo Município ou em veículo da Secretaria Municipal da Saúde e, ao ser abordado por um traficante, foi pego com 3 tabletes, totalizando 2,225kg de cocaína.

Já o segundo réu, Wanderley Dias Quiantareto, possui câncer na boca e laringe e, ao viajar em busca de tratamento, também transportava consigo 9 tabletes, contendo 8kg de pasta-base de cocaína, mais 196 gramas de cocaína. Após o mandado de prisão, ele obteve o benefício de prisão domiciliar, tendo em vista a sua necessidade de tratamento contínuo na Capital.

Segundo o Promotor de Justiça, Marcos Martins de Brito, designado para responder pela 6ª Promotoria de Justiça de Corumbá, o que mais chamou atenção, foi a ousadia e a insensibilidade de algumas organizações criminosas que aliciam pacientes, pessoas acometidas de graves doenças, para transportar drogas.

“Tratam-se de pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social, muito abaladas psicologicamente pela doença que as acometem, além de problemas financeiros. As organizações criminosas procuram arregimentar essas pessoas, pois os ônibus da Saúde, como são conhecidos os veículos que transportam os pacientes para Campo Grande, tendem a passar despercebidos pelas barreiras policiais, imunes a qualquer fiscalização”, explica o Promotor de Justiça.