14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

Vereadores acusados de corrupção são cassados em Naviraí

A- A+

A sessão extraordinária da Câmara de Naviraí realizada na tarde de ontem para o julgamento de cassação do ex-presidente da Casa, Cícero dos Santos, e dos vereadores Adriano José Silvério, Carlos Alberto Sanches, o Carlão, e Marcus Douglas Miranda, acusados de quebra de decoro, acabou com três cassações e uma renúncia.

A sessão teve inicio às 14h, com o plenário totalmente lotado por manifestantes carregando cartazes, pedindo a cassação dos acusados, além de várias outras pessoas que estavam acompanhando do lado de fora por um telão montado na porta do salão de entrada. Marcus Douglas que está em prisão domiciliar, chegou a Câmara escoltado pela Polícia Militar, e permaneceu sentado em uma cadeira colada no plenário atrás da mesa dos vereadores. Carlão e Adriano também se fizeram presente na sessão, e se sentaram junto à planteia na primeira fila. A segurança do local foi feita pela Polícia Militar e também pela Polícia Federal. Estiveram acompanhando a sessão, o Promotor de Justiça Paulo Riquelme, o Defensor Público Vandir Zulato Jorge e o Delegado da Polícia Federal, Nilson Zoccarato Negrão, o qual foi responsável pela Operação Atenas, realizada juntamente com o Ministério Público. Durante as leituras dos relatórios de cassação e também na hora do uso da palavra dos advogados de defesa dos acusados, o público por varias vezes se manifestaram com vaias e cartazes, sendo o presidente da sessão o vereador Jaime Dutra, tendo que interceder pedindo ordem na casa. O primeiro a ser julgado foi o vereador Adriano José Silvério (SDD). Após seu advogado de defesa fazer o uso da tribuna, os vereadores fizeram a votação em aberto, onde Adriano obteve 10 votos favoráveis a sua cassação e apenas dois contra, sendo dos vereadores José Roberto e Mario Gomes. O segundo a ser julgado e casado foi o vereador Carlos Alberto Sanches (SDD), que também teve a votação após deu advogado de devesa fazer o uso da tribuna. Também com 10 votos favoráveis a sua cassação e apenas dois contra, sendo dos vereadores José Roberto e Mario Gomes, Carlão foi cassado. Após ouvirem o resultada da suas cassações, Adriano e Carlão se retiraram do o plenário e foram embora. O terceiro a ser julgado foi o ex-presidente da Câmara Cicero dos Santos, que não estava presente na seção, e nem teve advogado de defesa. Cicero está preso no Presidio de Naviraí desde o dia 08 de outubro de 2014, quando foi preso na Operação Atenas. Cicero teve votação unanime a favor de sua cassação, com 12 votos. Marcus Douglas que seria o quarto vereador a ser julgado, dispensou o advogado, e por também ser advogado, ele mesmo usou a tribuna para fazer sua defesa. Durante o uso da tribuna, Marcus Douglas, disse que a gravação feita pela PF, onde que ele e Cicinho aparecem xingando o povo, seria a uma suposta pessoa que teria ido à câmara para pedir... "O podo pede, pede, pede, mesmo"... porem o restante da gravação segundo ele, não foi divulgada, onde segundo ele, o xingamento e palavrões seria referente a esta suposta pessoa que teria ido a Câmara para pedir. Por cerca de 45 minutos Marcus Douglas fez uso da tribuna se defendendo das acusações de decoro parlamentar contra ele. “Agradeço a todos os presentes, e peço que por favor que me escutem, pois eu tenho o direito de dizer minha versão dos fatos, pois hoje será a última vez que farei uso a esta tribuna....Seu eu tiver que pagar, seu eu tiver que ir para cadeia eu vou, se eu tiver feito eu tenho que pagar, mas eu só peço Deus que por qualquer motivo, não coloque contra mim, o que não é, o que eu não fiz”, disse Marcus Douglas. No final de sua fala, Marcus Douglas disse que a coisa que mais se arrependeu em sua vida foi de ter entrado para a política “Independente de qualquer que seja o resultado, eu nunca mais na minha vida vou voltar a participar de política” disse Marcus Douglas, e logo em seguida renunciou o seu mandato ao presidente da Câmara. Ao fazer a renuncia, Marcus Douglas ficou livre da cassação de seu mandato. A multidão que assistia a sessão comemorou decisão de Marcus Douglas, com um grito de guerra “O povo unido jamais será vencido”. Logo após o encerramento da fala de Marcus Douglas, o presidente interrompeu a sessão por cinco minutos, até que fosse redigido o documento de renuncia para que Marcus Douglas pudesse assinar. Em seguida, após quase 7 horas, a seção foi encerrada. A multidão lotou a Câmara durante do à sessão, comemorou a cassação de Cicinho, Carlão, Adriano e a renuncia de Marcus Douglas, com aplausos e fogos.

Ta Na Mídia Naviraí