21 de outubro de 2021
Campo Grande 31º 17º

ACHADO DE CORPO

Brasileira morre no deserto, deixada por grupo que tentava entrar ilegalmente nos EUA

Corpo foi encontrado na fronteira do México com os Estados Unidos; Lenilda morreu abandonada por amigos de infância, sem água ou comida

A- A+

Lenilda dos Santos, 49 anos, é a brasileira encontrada morta no dia 15.set.2021, em área desértica do Novo México, próximo da fronteira dos Estados Unidos com a América Central. 

Moradora de Vale do Paraíso (RO), Lenilda deixou duas filhas no Brasil. Ia com conhecidos rumo à Ohio, atravessando a fronteira de forma ilegal, de acordo com a Agência Folhapress.

Segundo o portal O Dia, Lenilda foi abandonada pelos amigos de infância com quem viajava, sem comida ou água. 

"Não se faz isso nem com nem com cachorro, como é modo de falar. Quero dizer, não se pode maltratar animais, então como que se larga um ser humano no deserto sem comida, sem água? Você não tem noção da dor que é isso. É muito difícil", disse Leci Pereira, irmã de Lenilda, ao jornal O Globo. 

Ainda, segundo a Folhapress, a identificação do corpo - encontrado perto do cruzamento das rodovias Castaneda e Hondale - se deu graças ao passaporte brasileiro que ela carregava. 

Lenilda tinha parentes que viviam em Massachusetts, com quem compartilhou sua localização. Ela entrou em contato na última 6ª feira (10.set.2021), quando disse que havia se separado do grupo, estava sem água, comida e temia estar morrendo. 

De acordo com a polícia, no deserto as informações fornecem uma ampla área para pesquisa, o que dificultou o trabalho de rastreio do corpo, segundo o site noticioso local "Deming Headlight". 

Kleber Vilanova é um brasileiro, morador de Ohio, dono de uma empresa da área de imigração que atende brasileiros e latinos. A família de Lenilda, após mais de cinco dias sem notícias da brasileira, contatou o rapaz, que acompanhou as buscas de perto e criou uma campanha no GoFundMe para bancar o translado do corpo de volta para o Brasil. 

Segundo relato da irmã, Lenilda disse que não aguentava mais caminhar pelo deserto e decidiu parar. Seu grupo de amigos, com medo de serem detidos por patrulheiros, seguiu em frente, prometendo que voltavam para buscá-la. Na 3ª feira (07.set.2021) ela teria mandado mensagem para a amiga com quem caminhava dizendo "pede pra eles trazerem água, que não estou mais aguentando de sede".

** (Com informações Agência Folhapress; Jornal O Globo e UOL)