30 de novembro de 2021
São Paulo 39º 24º

Carta de Temer à Dilma movimenta os bastidores do poder

A- A+

Após o vazamento da carta do vice-presidente Michel Temer (PMDB), o conteúdo, considerado por ele como forma de desabafo em "caráter pessoal", endereçada à  presidente da República Dilma Rousseff (PT), foi mal avaliado por alguns peemedebistas que trataram o ato como "infantil" e "primário", onde foi colocado em dúvida a capacidade do vice se vir a ocupar o cargo máximo do Executivo.

Segundo a assessoria da vice-presidência, a carta foi enviada em "caráter pessoal" e não propõe rompimento com o governo ou entre partidos, mas a "reunificação do país", mesmo contendo trechos que se diz "vice-decorativo" no primeiro mandato do governo Dilma, e lamenta a perda de "todo protagonismo político" que teve no passado.

Para contornar a crise, lideranças do PMDB  do Senado minimizam afirmando que a carta revela o desejo de Temer de colaborar mais com o governo. Nos bastidores, grupo ligado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), criticou postura de Temer e aponta que o "mi-mi-mi-Michel" deveria se tratar sobre a conjuntura política e econômica que passa o país. Segundo pessoas próximas a Renan e o ex-senador José Sarney, o comentário é que o partido se " apequenou" diante do ato de Temer em tratar de cargos e questões pessoais.

Para evitar comentários mais desastrosos, alguns integrantes do PMDB tratam o conteúdo da carta como assunto entre Dilma e Temer. " O que está ali é uma avaliação pessoal do vice-presidente que foi escrita em uma carta endereçada à presidenta. Este é um assunto entre ele e ela, e só cabe aos dois falarem sobre o assunto",  avalia Eunício Oliveira, líder do PMDB no Senado.

Alguns peemedebista se manifestaram pontuando que deve haver um dialogo, mas " tem que esfriar, discutir a relação", analisa Guilherme Afif Domingos (PMDB). Para Domingos é importante manter o dialogo e o bom senso, e comenta que Temer tem o direito de se manifestar, "ele se manifestou, cada um tem o direito de se manifestar, dos dois lados tem que haver a busca de um equilíbrio", afirma.