24 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

AGORA | INTERNACIONAL

Chuvas deixam 44 mortos, dezenas somem e casas são arrastadas: "Nunca vi nada parecido"

Inundações, destruição e desespero na Bélgica e Alemanha; veja fotos e vídeos

A- A+

Pelo menos 42 pessoas morreram nesta quinta, 15 de julho, na Alemanha e dezenas estão desaparecidas.  Chuvas e inundações atingem o oeste do país e também a Bélgica.

A Europa Ocidental enfrenta um período recorde de chuvas que estão varrendo cidades, vilarejos, destruindo casas, carregando pessoas e veículos. 

Na Alemanha, as autoridades informaram nesta noite que 1.300 pessoas estão sendo consideradas "não reportadas" no distrito de Bad Neuenahr-Ahrweiler e não é possível saber quantas estão com problemas de comunicação e quantas podem estar desaparecidas sem terem sido notadas.  

Na cidade de Schuld, as casas foram reduzidas a pilhas de entulho e vigas quebradas. As estradas foram bloqueadas por destroços e árvores caídas e peixes se debatiam em poças de água no meio da rua.

— Tivemos dois ou três dias de chuva constante. Ou talvez quatro, perdi a noção — disse Klaus Radermacher, que mora em Schuld há 60 anos. 

— Eu vi a pizzaria ficar inundada, meia hora depois a padaria estava inundada. Tem um acampamento lá em cima, então caravanas e campervans passaram flutuando, tanques de gasolina. Estávamos impotentes contra isso. Veio tão rápido, eu ' nunca vi nada parecido — disse.  

Dezoito pessoas morreram e dezenas ficaram desaparecidas na região vinícola de Ahrweiler, no estado da Renânia-Palatinado, disse a polícia, depois que o rio Ahr que deságua no Reno rompeu suas margens e derrubou dezenas de casas.

Outras 15 pessoas morreram na região de Euskirchen, ao sul da cidade de Bonn, afirmam as autoridades. As pessoas na região foram orientadas a evacuar suas casas e os trabalhadores de emergência retiraram água de uma barragem ao sul da cidade de Euskirchen, temendo que pudesse romper.  

Na Bélgica, dois homens morreram devido às chuvas e uma menina de 15 anos estava desaparecida após ser arrastada por um rio que transbordou.  

Centenas de soldados e 2.500 trabalhadores humanitários ajudam a polícia nos esforços de resgate na Alemanha. 

Tanques foram implantados para limpar estradas de deslizamentos de terra e árvores caídas e helicópteros içaram os que estavam presos nos telhados para a segurança.

Cerca de 200.000 famílias perderam energia devido às enchentes.

'NATUREZA ACONTECENDO'

Em Ahrweiler, dois carros destruídos estavam encostados em ambos os lados do portão de pedra da cidade e os moradores usaram pás de neve e vassouras para varrer a lama de suas casas e lojas depois que as enchentes baixaram.

Em visita aos Estados Unidos, a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, disse que “é um dia que se caracteriza pelo medo, pelo desespero e pelo sofrimento”, pois “pequenos rios se transformaram em torrentes inundadas e devastadoras”.

Ela agradeceu às equipes de resgate e todos aqueles envolvidos no trabalho de buscas aos sobreviventes.

“Eu ofereço minha empatia e meu coração está com as pessoas que perderam entes queridos. Incluo aqueles na Bélgica, Luxemburgo e Holanda", acrescentou Merkel, que acredita que a extensão total da tragédia só será conhecida nos próximos dias.

*Com Reuters.