21 de janeiro de 2021
Campo Grande 28º 21º

GUERRA

Cientista iraniano responsável por armas nucleares é emboscado e metralhado

"Vamos atacar como um trovão contra os assassinos desse mártir oprimido e faremos com que eles se arrependam de sua ação", avisou militar iraniano

O principal cientista por trás do projeto nuclear iraniano,  foi emboscado na cidade de Absard, e assassinado a tiros nesta 6ª-feira (27.nov.2020) em Damavand, na província de Teerã. Segundo o Ministério da Defesa do Irã, ele estava em um carro quando foi baleado e chegou a ser hospitalizado, mas não resistiu.

Um conselheiro do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, prometeu que o país retaliaria o assassinato do cientista. “Vamos atacar como um trovão contra os assassinos desse mártir oprimido e faremos com que eles se arrependam de sua ação”, tuitou Hossein Dehghan, que é comandante militar.

Testemunhas afirmam ter ouvido o barulho de uma explosão e em seguida o som de rajadas de metralhadoras. O governo iraniano acusa Israel pelo ataque. Segundo o jornal "New York Times", o cientista era um dos maiores alvos da Mossad, o serviço de inteligência israelense.

O porta-voz do gabinete do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu afirmou que ele não comentaria a morte de Fakhrizadeh. Fakhrizadeh foi identificado pelo primeiro-ministro de Israel em uma apresentação pública em 2018 como o diretor do projeto de armas nucleares do Irã. “Lembre-se desse nome, Fakhrizadeh”, disse Benjamin Netanyahu durante a apresentação.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, postou uma mensagem na qual diz que o assassinato foi "uma covardia" e um ato terrorista, e diz que há "sérias indicações do papel israelense".

"Terroristas assassinaram um eminente cientista iraniano hoje. Esta covardia - com sérias indicações do papel israelense - mostra uma guerra desesperada contra os perpetradores. O Irã apela à comunidade internacional - e especialmente à UE - para acabar com seus vergonhosos padrões duplos e condenar este ato de terror de Estado", escreveu.