05 de dezembro de 2020
Campo Grande 30º 24º

COVID-19

Covid: Mais de 406 mil mortos e 7,1 milhões infectados no mundo

O Brasil tem 37.134 mortes (707.412 casos)

Apandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 406.466 pessoas e infectou mais de 7,1 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa até às 8h (horário de Brasília), já morreram pelo menos 406.466 pessoas e há mais de 7.130.550 infectados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 3.124.800 foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Contudo, a AFP adverte que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infecções, já que alguns países testam apenas casos graves, e outros usam o teste como uma prioridade para rastreamento, e muitos países pobres têm apenas capacidade limitada de rastreamento.

Os Estados Unidos, que registraram a primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de mortes e casos, com 111.007 e 1.961.185, respectivamente. Pelo menos 518.522 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Reino Unido, com 40.597 mortes em 287.399 casos, Brasil com 37.134 mortes (707.412 casos), Itália com 33.964 mortes (235.278 casos) e França com 29.209 mortes (191.185 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou 83.043 casos (três novos entre segunda-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes e 78.351 curados.

A Europa totalizou 184.256 mortes e 2.301.720 casos, Estados Unidos e Canadá 118.900 mortes (2.057.429 casos), América Latina e Caibe 67.114 mortes (1.360.947 casos), Ásia 19.996 mortes (712.983 casos), Médio Oriente 10.715 mortes (491.006 casos), África 5.354 mortes (197.823 casos) e Oceânia 131 mortes (8.648 casos).

Esta avaliação foi realizada com dados recolhidos pela AFP junto de autoridades de saúde e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).