02 de dezembro de 2021
Campo Grande 30º 22º

CUT defende greve pré-copa dos metroviários em SP

A- A+

A greve dos metroviários, que provocou o segundo dia consecutivo de caos em São Paulo e elevou a tensão pré-Copa do Mundo, ganhou o apoio da Central Única dos Trabalhadores. Segundo o presidente da entidade, Vagner Freitas, a paralisação é legítima. Freitas também condenou a ação policial, que reprimiu com bombas de gás lacrimogênio grevistas que paralisaram a estação Ana Rosa, em São Paulo. O movimento dos metroviários é extremamente sensível, uma vez que os trens são o meio mais eficiente para se chegar ao Itaquerão, palco da abertura da Copa do Mundo, na próxima quinta-feira – o maior temor da Fifa é que os torcedores não consigam se instalar a tempo para a partida inaugural do torneio. A CUT – Central Única dos Trabalhadores é solidária à greve dos/as trabalhadores/as do Metrô de São Paulo e também à população que utiliza o transporte coletivo. Todos nós defendemos um transporte público de qualidade com trabalhadores/as dignamente remunerados. A CUT entende que o governador de São Paulo-SP, Geraldo Alckmin, precisa agir com mais responsabilidade, tanto na condução da negociação com os representantes do Sindicato dos Metroviários, que não é filiado a nenhuma central sindical,  quanto com a população da cidade. Quatro milhões de pessoas estão sendo prejudicadas pela inabilidade do governo na negociação com a categoria. As reivindicações são justas, do ponto de vista econômico e social. É uma greve reivindicatória por melhores condições de trabalho e salário para os/as metroviários/as, que só foi deflagrada, como último recurso, porque não houve um processo de negociação democrático satisfatório entre as partes. Foi com greves como essa que os/as companheiros/as rodoviários/as e os professores municipais de São Paulo conquistaram reajustes salariais acima de 10%. A CUT repudia veementemente a violência policial ao movimento grevista dos metroviários de São Paulo. Polícia tem de proteger o cidadão, o trabalhador e a trabalhadora. Não foi isso que a Tropa de Choque fez hoje. Para a CUT, o governador tem o dever de abrir negociações sérias com a categoria. A greve é um direito legítimo conquistado pelos/as trabalhadores/a e não pode ser repremida com força policial e a solução tem de ser negociada. A CUT se coloca à disposição, tanto para a direção do Sindicato como para o governo do Estado de SP e, principalmente, para os/as metroviários/as de São Paulo, para contribuir na solução desse conflito. Agência Brasil 247