19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

INTERNACIONAL

Militares de Mianmar massacram povo que luta pela democracia; veja os vídeos

Uma das atingidas, uma mulher teria levado um tiro na cabeça e está em estado grave. Militares derrubaram governo sob acusações em provas de fraude nas eleições presidenciais

Leia também

• Deslizamento de terra em mina mata dezenas em Mianmar

• Avião militar desaparece com 116 pessoas enquanto sobrevoava Mianmar e Yangon

• Derrotados nas urnas, militares dão golpe em Mianmar com acusações 'estilo Trump'

RANGOON (MIANMAR) | AFP e REUTERS - Um dia depois de fazer ameaças contra os manifestantes, a polícia de Mianmar usou canhões de água, gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os atos de oposição ao golpe de Estado nesta terça-feira (9). Testemunhas também relataram o uso de munição letal, mas a informação ainda não foi oficialmente confirmada.

Ao menos quatro pessoas ficaram feridas. Uma delas, de acordo com um médico ouvido por jornalistas sob condição de anonimato, é uma mulher que teria levado um tiro na cabeça e está em estado grave.

Vídeos publicados nas redes sociais, cuja autenticidade ainda não foi comprovada, mostram um grupo de pessoas abrigadas sob o que parece ser um ponto de ônibus.

A alguns metros, agentes da tropa de choque estão em formação. É possível ver jatos dos canhões de água usados contra os manifestantes e, em dado momento, ouvem-se disparos.

 

 

Uma mulher que, segundo as publicações, tem cerca de 20 anos, parece ser atingida e cai repentinamente. Nas imagens, ela aparece usando um capacete de motociclista. Em outras postagens, há fotos do capacete perfurado por um projétil.

"Ela ainda não faleceu, está na unidade de emergência, mas é 100% certo que a lesão é fatal", disse o médico de um hospital em Naypyitaw, capital de Mianmar. Segundo ele, exames de imagem mostraram uma bala alojada na cabeça da paciente.

Ainda de acordo com relatos de médicos da capital, os outros feridos não correm risco de morrer e ainda não se sabe se os ferimentos foram causados por balas de borracha ou munições reais.

Mianmar tem um histórico violento de repressão a protestos. Na revolta de 1988, mais de 3.000 manifestantes foram mortos pelas forças de segurança do país durante atos contra o regime militar.

A Organização das Nações Unidas condenou, nesta terça, o uso da força contra os opositores. "O uso de força desproporcional contra os manifestantes é inaceitável. Muitos manifestantes ficaram feridos, alguns deles gravemente", disse Ola Almgren, coordenador da ONU em Mianmar.

A junta que agora comanda o país depois de prender toda a cúpula do governo civil —incluindo a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi e o presidente Win Myint— proibiu ajuntamentos de mais de cinco pessoas em várias regiões e estabeleceu um toque de recolher das 20h às 4h em Rangoon e Mandalay, as duas maiores cidades do país.

Desde o golpe militar em 1º de fevereiro, os mianmarenses vinham se organizando em campanhas de desobediência civil, marcadas por atos menores e por greves de profissionais de saúde, professores e funcionários do governo pré-golpe.

Durante o último final de semana, porém, o movimento de resistência ganhou força e levou dezenas de milhares de pessoas às ruas das principais cidades do país para exigir a volta da democracia e a libertação dos presos políticos.

"O principal é que não queremos um golpe", disse uma manifestante de 24 anos em Rangoon à agência de notícias Reuters. "Se nós, jovens, não sairmos [às ruas], quem o fará?"

"Suas ameaças não nos preocupam, é por isso que saímos hoje", disse Thein Winun, um dos professores que marcharam em Rangoon, referindo-se ao anúncio feito pelos militares segundo o qual seriam tomadas ações "contra as infrações que perturbam, impedem e destroem a estabilidade do Estado".

"Não podemos aceitar a justificativa de fraude eleitoral. Não queremos uma ditadura militar", acrescentou Winun.

Uma das principais demandas dos manifestantes é a liberdade de Suu Kyi, que, na prática, governava o país. Ela foi detida sob uma acusação obscura de violação de normas comerciais —ela teria importado ilegalmente seis walkie-talkies—, e ao menos outros 150 líderes políticos foram presos, de acordo com a Associação de Assistência aos Presos Políticos.

Os ativistas também buscam a abolição da Constituição de 2008, elaborada sob supervisão militar, que concedeu aos generais o direito ao veto no Parlamento e o controle de vários ministérios.

Outro fator que parece ter incentivado a população a aderir aos protestos foi o ceticismo com que foi recebida a promessa do general Min Aung Hlaing, chefe das Forças Armadas que agora governa o país.

Nesta segunda-feira (8), ele disse que a junta militar formaria uma "democracia verdadeira e disciplinada", diferente das eras anteriores que trouxeram anos de isolamento e pobreza — Mianmar viveu sob uma ditadura militar de 1962 a 2011.

"Teremos uma eleição multipartidária e entregaremos o poder a quem vencer", disse Hlaing, repetindo a promessa feita no dia do golpe, segundo a qual haverá uma transição pacífica de poder assim que forem realizadas "eleições justas e livres".

Ao assumirem o poder, os militares declararam um estado de emergência que deve durar um ano. O próprio Hlaing, entretanto, afirmou na semana passada que pode continuar no poder após esse período para coordenar a realização de um novo pleito.

As últimas eleições parlamentares em Mianmar foram realizadas em novembro do ano passado. A grande vencedora foi a Liga Nacional pela Democracia (LND), partido de Suu Kyi.

A legenda, que comanda o país desde 2015, obteve 83% dos votos e conquistou 396 dos 476 assentos no Parlamento no pleito de novembro, mas foi impedida de assumir quando o golpe foi aplicado no dia da posse da nova legislatura. O Partido da União Solidária e Desenvolvimento, apoiado pelos militares, obteve apenas 33 cadeiras.

O golpe recebeu duras críticas da comunidade internacional. Líderes políticos de diversas nacionalidades pediram o restabelecimento do governo democraticamente eleito e a libertação de todos os presos civis.

Nesta terça, o governo das Filipinas quebrou o silêncio dos países do sudeste asiático, que vinham tratando a situação em Mianmar como "um assunto interno", e pediu a "restauração completa do status quo".

A Nova Zelândia, também nesta terça, anunciou a suspensão de todos os contatos políticos e militares com Mianmar. O governo de Jacinda Ardern afirmou ainda que garantirá que qualquer ajuda enviada ao país não beneficie os militares e que imporá restrições à entrada de seus líderes em território neozelandês.

Diversos chefes de Estado da União Europeia também se posicionaram contra a tomada de poder pelos militares, assim como o governo dos Estados Unidos, que considera a tomada de poder em Mianmar um golpe de Estado. Na prática, isso implica em restrições à assistência que os americanos oferecem ao país. Os EUA também estudam sanções contra indivíduos e entidades controladas pelos militares.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil, por sua vez, não mencionou golpe militar ou presos políticos em uma nota divulgada sobre o assunto e limitou-se a dizer que tem a expectativa de “um rápido retorno do país à normalidade democrática e de preservação do Estado de Direito.”

CRONOLOGIA DA HISTÓRIA POLÍTICA DE MIANMAR

  • 1948: Ex-colônia britânica, Mianmar se torna um país independente
  • 1962: General Ne Win abole a Constituição de 1947 e instaura um regime militar
  • 1974: Começa a vigorar a primeira Constituição pós-independência
  • 1988: Repressão violenta a protestos contra o regime militar gera críticas internacionais
  • 1990: Liga Nacional pela Democracia (LND), de oposição ao regime, vence primeira eleição multipartidária em 30 anos e é impedida de assumir o poder
  • 1991: Aung San Suu Kyi, da LND, ganha o Nobel da Paz
  • 1997: EUA e UE impõe sanções contra Mianmar por violações de direitos humanos e desrespeito aos resultados das eleições
  • 2008: Assembleia aprova nova Constituição
  • 2011: Thein Sein, general reformado, é eleito presidente e o regime militar é dissolvido
  • 2015: LND conquista maioria nas duas Casas do Parlamento
  • 2016: Htin Kyaw é eleito o primeiro presidente civil desde o golpe de 1962 e Suu Kyi assume como Conselheira de Estado, cargo equivalente ao de primeiro-ministro
  • 2018: Kyaw renuncia e Win Myint assume a Presidência
  • 2020: Em eleições parlamentares, LND recebe 83% dos votos e derrota partido pró-militar
  • 2021: Militares alegam fraude no pleito, prendem lideranças da LND, e assumem o poder com novo golpe de Estado
Heleno: redes sociais causaram transformação no trabalho da Abin
Política
há 10 minutos

Heleno: redes sociais causaram transformação no trabalho da Abin

ICMBio renova frota de veículos para fiscalização de parques nacionais
Política
há 10 minutos

ICMBio renova frota de veículos para fiscalização de parques nacionais

Câmara recebe projeção em homenagem aos povos indígenas
Política
há 40 minutos

Câmara recebe projeção em homenagem aos povos indígenas

Câmara pode votar nesta terça-feira duas MPs sobre renegociação de dívidas
Política
há 40 minutos

Câmara pode votar nesta terça-feira duas MPs sobre renegociação de dívidas

Adolescente tortura animais e põe pênis na boca de cachorro; "deprimente", diz Luísa Mell
MAUS-TRATOS
há 55 minutos

Adolescente tortura animais e põe pênis na boca de cachorro; "deprimente", diz Luísa Mell

Derrubados vetos à suspensão de dívidas de clubes durante estado de calamidade
Política
há 1 hora

Derrubados vetos à suspensão de dívidas de clubes durante estado de calamidade