25 de fevereiro de 2021
Campo Grande

CORTE

Fachin pede informações a Toffoli sobre inquérito aberto para apurar ofensas à Corte

O ministro Luiz Edson Fachin pediu nesta terça-feira (26) que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, preste informações sobre o inquérito aberto para apurar ofensas à Corte, entre elas conteúdo falso ou vazamento de informações sobre ministros.

Fachin é relator de pedido feito pela Rede Sustentabilidade para suspender o inquérito. Conforme o partido, o inquérito aberto "de ofício", sem participação do Ministério Público, viola princípios da Constituição. Outro ponto questionado é a escolha do relator, o ministro Alexandre de Moraes, por designação e não por sorteio, como ocorre normalmente.

A Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) apresentada pela Rede, de 23 páginas, afirma que, por estar em sigilo, o inquérito pode ser direcionado, inclusive "contra jornalistas, parlamentares, membros do governo, membros do Judiciário, ministério público, detentores de foro especial, além da cidadania em geral". A rede comparou o ato ao AI-5, ato editado durante o regime militar.

Aberto há duas semanas por decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, o inquérito foi alvo de críticas inclusive dentro do próprio STF por ter sido aberto sem participação do Ministério Público. O STF afirma que o regimento interno, que tem força de lei, permite a apuração dentro do tribunal.

O ministro Fachin disse que não anteciparia posição sobre se é ou não cabível o pedido da Rede requisitou manifestação de Toffoli, da Procuradoria Geral da República - que já criticou a apuração - e da Advocacia Geral da União. Reservadamente, um dos ministros do STF disse antes das sessões de turma nesta terça que não é cabível questionar o inquérito por meio da ação apresentada.