28 de novembro de 2020
Campo Grande 36º 23º

TRAGÉDIA

Incêndio destrói parte do acervo do Museu de História Natural da UFMG

Chamas destruíram parte do prédio central da administração, principalmente salas onde ficam coleções que não estão em exposição. "Afetou uma parte muito importante", lamentou diretora

A Universidade Federal de Minas Gerais deve montar uma comissão de professores e especialistas para avaliar os prejuízos após um prédio pegar fogo na manhã desta segunda-feira (15) no Museu de História Natural e Jardim Botânico, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ninguém se feriu. O incêndio começou por volta das 6h30 e destruiu a edificação. O tradicional Presépio do Pipiripau não foi atingido.

O incêndio foi debelado rapidamente, mas o trabalho de rescaldo precisou ser lento para preservar o acervo, formado por mais de 260 mil itens, entre peças e coleção científica de plantas e reserva vegetal.

"A gente não tem muita informação sobre o alcance e as perdas que o incêndio vão ocasionar. O momento é aguardar a ação dos bombeiros. O que foi afetado é uma parte do prédio central da administração, principalmente três salas da reserva técnica onde ficam as coleções que não estão em exposição, afetou uma parte muito importante do museu mas a gente só vai ter a dimensão depois que a perícia acontecer", explicou a professora Mariana Lacerda, diretora do museu.

A UFMG informou que deve ser criada uma comissão de professores e especialistas para avaliar prejuízos.

"Segundo o segurança no turno das cinco horas da manhã, ele fez uma ronda e não havia incêndio. Às 5h30, ouviu os barulhos do vidro de uma das janelas estourando e percebeu que o incêndio tinha dado início", comentou o tenente Lobo, do Corpo de Bombeiros.

Ainda de acordo com o militar, a chamada foi recebida pelos bombeiros por volta das 6 horas da manhã. O combate às chamadas durou em torno de 30 minutos. Depois que o incêndio foi controlado, começou outro desafio: preservar parte do acervo atingido pelo fogo.

O rescaldo é demorado devido às substâncias e ao material, na tentativa de se preservar o acervo do museu, informou o bombeiro.

História e natureza convivem nos 600 mil metros quadrados do museu da UFMG. A vegetação de mata Atlântica divide espaço com especies exóticas e mais de 265 mil itens de diversas áreas do conhecimento.

São as coleções da paleontologia, arqueologia e parte da biologia também, algum acervo ligado a zoologia. A gente vai saber qual foi o alcance depois que a perícia for feita. A área atingida pelo fogo vai ser periciada pela a Policia Federal. Peritos e investigadores vão apurar as causas do incêndio.

Fonte: G1