22 de setembro de 2020
Campo Grande 27º 18º

Lula mira PSDB em "luta entre esperança e ódio"

images-cms-image-000377025 (1) Na convenção que lançou oficialmente o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha como candidato do PT ao governo do estado de São Paulo, o PT buscou blindar a presidente Dilma Rousseff com ofensiva à oposição. Último a discursar para mais de 15 mil pessoas, no Ginásio da Portuguesa, na capital paulista, Lula lançou a luta da "esperança contra o ódio". "Temos que fazer uma campanha para a esperança vencer. Se em 2002 fizemos campanha para a esperança vencer o medo, agora vamos fazer a campanha para a esperança vencer o ódio”, ressaltou. O ex-presidente ironizou a fala do presidenciável Aécio Neves sobre um "tsunami" no PT: “ele deveria ter colocado o tsunami dele para abastecer o Cantareira", disse em referência à crise de abastecimento em São Paulo. Segundo ele, os tucanos reeditaram discurso feito pelo então dirigente do extinto PFL Jorge Bornhausen: "Eles repetiram ontem na convenção do PSDB aquilo que Bornhausen tinha falado em 2005: Nós precisamos acabar com essa raça'. Nós não acabamos. Quem acabou foi o PFL". Lula também visou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Vi o ex-presidente falar com a maior desfaçatez: É preciso acabar com a corrupção'. Ele devia dizer quem é que estabeleceu a maior promiscuidade entre Executivo e Congresso quando ele começou a comprar voto para ser aprovada a reeleição." Com uma crítica à elite, o ex-presidente evidenciou o campo em que se dará a disputa eleitoral. "Provamos que somos mais competentes que eles. O ódio deles contra nós é porque, pela primeira vez na história deste país, provamos para a elite que somos mais competentes." (Com Rede Brasil Atual) Brasil 247