02 de dezembro de 2021
Campo Grande 30º 22º

"Não se trata sobre transferência de votos", diz campos sobre aliança com Marina

A- A+

Pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos disse que, apesar das divergências, sua aliança com a ex-senadora Marina Silva está mantida e que o acordo entre os dois não se trata apenas de "transferência de votos". Após participar de um evento com empresários do setor de importação e exportação nesta terça-feira (10) na capital paulista, o ex-governador de Pernambuco afirmou que o projeto representado por sua chapa majoritária é de "mudança" e "renovação". "Trata-se de nós representarmos, eu e Marina, um pensamento renovador na vida brasileira, um pensamento de ideias e um programa que se aproxima dos brasileiros que querem uma mudança de era, de ciclo, de valores". Segundo a Folha apurou, apesar do descontentamento de vários dirigentes do PSB quanto aos entraves colocados por Marina em diversas alianças regionais, como em São Paulo -em que o partido apoiará a reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB)-, pesquisas internas encomendadas pela sigla mostram que a ex-senadora é um importante cabo eleitoral de Campos principalmente em Estados como o Rio de Janeiro e grandes centros urbanos, onde Marina teve bom desempenho nas eleições presidenciais de 2010. Além disso, sua imagem atrai o voto da juventude, um dos públicos propulsores dos protestos de junho do ano passado. A ex-senadora encontrou com o pernambucano em um seminário sobre educação horas depois do evento com empresários e, ao lado dele, disse mais uma vez que as diferenças do partido em relação ao palanque em São Paulo não abalam o projeto nacional do PSB. "A aliança em São Paulo eu considero um equívoco, porque eu e Eduardo [Campos] temos trabalhado para fortalecer o projeto nacional, mas estamos fazendo isso com diálogo nos Estados. Tenho visto o seu esforço e o quanto ele colocou essa agenda [posição do PSB paulista] como prioritária. Meu apelo é que São Paulo possa rever essa posição até a convenção", declarou Marina. Afinados no discurso de "independência" de PSB e Rede, grupo político de Marina Silva, a ex-senadora e o ex-governador afirmaram que os partidos podem ter visões diferentes. "Nós [PSB e Rede] somos partidos diferentes, com dinâmicas diferentes, e a gente precisa respeitar a posição de um e de outro. Se num Estado ou no outro nós não vamos poder estar juntos, essa é uma questão meramente estadual, não tem nada a ver com o plano nacional, por mais importante que esse Estado seja", disse Campos. EFEITO MARINA De acordo com ex-governador, o efeito que Marina terá sobre sua candidatura vai aparecer em agosto, com o início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV. "Precisa que a comunicação das ideias aconteça, e isso vai acontecer sobretudo depois que a campanha começar na TV aberta, que vai despertar as pessoas a buscar informações nas redes sociais e a entrar no debate. É assim que tem acontecido nas eleições que têm pessoas que não são 100% conhecidas", explicou. A pré-campanha do PSB para a sucessão da presidente Dilma Rousseff passa por um momento delicado, em razão do fraco desempenho nas pesquisas eleitorais - no último levantamento do Datafolha, Campos caiu quatro pontos e aparece com 7% das intenções de voto - e pela dificuldade de transferência de votos da ex-senadora para sua candidatura. No entanto, pesquisa do Ibope contratada pela União dos Vereadores de São Paulo e divulgada nesta terça-feira (10) pela coluna da Mônica Bergamo mostra que o apoio de Marina a Campos faz com que ele salte de 13% para 18%. É a maior vantagem se comparado ao efeito que a dobradinha com os ex-presidentes Lula e FHC tem sobre Dilma e Aécio Neves (PSDB), respectivamente. Quando aparece ao lado de Lula, a presidente passaria de um patamar de 37% para 40%, de acordo com dirigente do PSB que teve acesso aos números. Aécio ficaria no mesmo nível de intenção de votos, com ou sem FHC: cerca de 22%. Folha de São Paulo