13 de junho de 2021
Campo Grande 25º 11º

Advertência

Antes dos médicos, administrativos da Educação paralisam trabalhos na segunda

A- A+

Os mais de 850 servidores administrativos da Educação e Ceinf´s decidiram em votação por uma paralisação de advertência na próxima segunda-feira, dia 4, não havendo aula na rede municipal de ensino em Campo Grande.

De acordo com o presidente do SISEM (Sindicato dos Servidores e Funcionários da Prefeitura Municipal de Campo Grande), Marcos Tabosa, pelo menos 90% das escolas vão aderir a paralisação que ocorre em função do não cumprimento de acordo estabelecido entre o sindicato e a Secretaria de Educação que visa melhorar as condições de trabalho dos servidores que atuam nas escolas e Ceinfs da Capital, especialmente na manutenção das 6 horas semanais, inclusão dos secretários escolares neste projeto; reconhecimento e implantação do banco de horas, para compensar os dias trabalhados aos sábados, quando exigidos pelas diretoras escolares, entre os outros avanços que o sindicato quer para a categoria.

A intenção da paralisação é forçar a Secretaria da Educação cumprir o acordo, antes de efetivamente encaminhar para uma greve geral, sem data para acabar, proporcionando prejuízo dos alunos da rede municipal. “Na próxima quinta-feira vamos realizar assembleia para decidir se realizaremos greve que não terá data para terminar. Queremos respeito ao servidor público”, disse ao MS Notícias Tabosa

Todos os servidores que atuam nas escolas municipais como administrativos, bibliotecários, merendeiras, secretários, assistentes e as demais categorias que compõem o quadro da Secretaria de Educação estão convocados para estarem mobilizados no pátio da SEMED, à partir das 08h desta segunda-feira, a fim de exigir melhorias para a categoria. “Estamos aguardando resposta da comissão feita pelo prefeito para nos atender, composta pelo secretário de administração, de finanças e de governo, que deve nos enviar uma contra proposta. Vamos aguardar”, finalizou o presidente Sisem, categoria que pediu 10% de reajuste nos salários.