12 de junho de 2021
Campo Grande 25º 14º

Com luva digital, SAMU deve reduzir em 20% número de mortes por infarto

A- A+

A prefeitura de Campo Grande anunciou hoje aquisição de dez aparelhos de eletrocardiograma digital, que serão utilizados pelas equipes do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) da Capital. 

Segundo coordenador do SAMU, Eduardo Cury, o kit que conta com eletrocardiograma digital e a luva digital, que substitui os eletrodos, permitirá ao SAMU diagnosticar em até dez minutos quadros de infarto, o que significa que, diariamente, cerca de 40 campo-grandenses serão assistidos em tempo suficiente para evitar agravamento do quadro de saúde. "Com esse novo equipamento ganhamos em eficiência de diagnóstico, pois o resultado será emitido em no máximo dez minutos, o que significa que muitos pacientes com quadro de infarto serão atendidos prontamente, com esse curto tempo resposta, e acredito que conseguiremos obter redução de mortes em 20%", explica Cury.

Outro benefício, segundo Cury, é que haverá redução da superlotação nas unidades de saúde. "A partir do momento que eu sei se o paciente infartou, ele já é encaminhado para urgência e não para unidade básica e o contrário também acontece, um paciente que sofre com um dor abdominal, por exemplo, não precisa ir para atendimento de urgência, isso reduz fila de espera nos postos", afirma Cury.

A luva digital é um equipamento novo, produzido em Israel, que chegou ao Brasil em 2013 e foi testado pela rede pública de saúde de São José dos Campos (SP) em parceria com Unifesp (Universidade Federal Paulista). Na Capital, o atendimento será realizado pelos profissionais do SAMU que enviarão o exame via internet à empresa HBR Medical que irá disponibilizar profissionais para atender o município durante 24 horas. A empresa deverá enviar resultado em cerca de três minutos. 

Segundo Cury, o contrato, no valor global de R$ 180 mil mensais, fechado com a empresa, que tem sede em Campo Grande, corresponde ao aluguel dos dez kits de eletrocardiograma digital. Além do equipamento, está incluso no kit, notebook, modem 3G, maleta de blindagem, e a luva digital. No contrato de locação constam também seis aparelhos de ultrassonografia. 

Em relação aos exames, como não há ainda número exatos de quantos procedimentos serão realizados por mês, o contrato, com duração de um ano, engloba 1200 exames mensais, além de uma franquia, de 1200 ao ano. Caso, o SAMU realizado número maior de exames será cobrado valor unitário. O custo do procedimento costuma ser reduzido. Em, São José dos Campos, por exemplo, cada exame possui valor de R$ 10.

De acordo com o coordenador do SAMU, todo investimento será feito com recursos próprios. Segundo Cury, durante o ano de 2014, o SAMU economizou R$ 2,5 milhões, de recursos do governo federal e estadual, e para não ter de devolvê-los, decidiu adquirir os aparelhos. 

Os eletrocardiogramas digitais começam a ser operados no dia quatro deste mês e os equipamentos de ultrassonografia dia 12.