14 de maio de 2021
Campo Grande 26º 17º

Política

Délia fecha o ano tentando vencer turbulências

A- A+

Para reagir à série de problemas políticos e gerenciais que acometem a saúde de sua gestão, a prefeita Délia Razuk (PR), de Dourados, decidiu tomar medidas drásticas e antecipar iniciativas que em dias de normalidade não seriam tão urgentes e impositivas. Uma das providências para enfrentar o problema e alimentar a expectativa de solucioná-los é uma reforma administrativa, iniciada ontem com a exoneração de cinco secretários.

Délia sabe que não pode errar e precisa fortalecer seu governo. Está à frente da prefeitura que detém o orçamento do segundo maior município do Estado e é o principal pólo microrregional - a Grande Dourados, que tem influência direta e indireta com absorção de demandas de mais de 30 cidades do entorno.

Além disso, na condição de segundo maior colégio eleitoral, Dourados é um eixo político de peso decisivo na política estadual, item que torna mais atrativa as disputas municipais como a que vai acontecer em 2020, quando Délia deve candidatar-se à reeleição. É neste cenário que a prefeita tem consigo a tarefa extraordinária de fechar o segundo ano de mandato ainda às voltas com o desafio da governabilidade.

A prefeita pisa um solo minado desde que assumiu e tem consciência disso. Venceu uma eleição das mais difíceis, derrotando adversários competitivos e com poder de fogo que não se esgotou naquela disputa. E agora o fantasma da crise se agiganta por conta das operações policiais que desmontaram parte expressiva de sua base político-administrativo, com vereadores governistas e secretários presos, afastados ou denunciados por corrupção.

EXPECTATIVA - Entre as mudanças na equipe, chama a atenção a escolha de um juiz aposentado para comandar a Secretaria de Governo. Celso Schutz dos Santos substitui Patrícia Donzelli Bulcão, que continuará servindo à gestão, mas lotada no gabinete da prefeita. Reina grande expectativa quanto ao que fará o novo secretário para otimizar as intervenções políticas de interesse do governo. Consta que uma de suas atribuições será coordenar e acompanhar o trabalho das demais pastas, além de aprimorar o processo de interlocução com a sociedade e os poderes, sobretudo a Câmara Municipal.

O melhor saldo político de Délia Razuk este ano foi a eleição de seu filho, Neno Razuk (PTB), para uma das vagas na Assembleia Legislativa. Na sucessão estadual, ela provou dois sabores diferentes: um, doce, com a reeleição de Reinaldo Azambuja, a quem apoiou; outro, amargo, com o resultado das urnas em Dourados registrando a derrota local de seu candidato governador para o pedetista juiz Odilon de Oliveira.

Se for considerado que 2019 é o ano de véspera da eleição, a reforma administrativa de Délia Razuk e a anunciada leva de investimentos em infraestrutura e serviços precisam surtir efeito duradouro e consistente para enfrentar uma concorrência poderosa na sucessão municipal. 

Já é de conhecimento publico que entre os prováveis inscritos na corrida à Prefeitura estão os deputados estaduais Renato Câmara (MDB), José Carlos Barbosinha (DEM) e Marçal Filho (PSDB); o deputado federal Geraldo Resende (PSDB). E se a conjuntura favorecer, o DEM terá ainda como opção o vice-governador e ex-prefeito Murilo Zauith.