17 de junho de 2021
Campo Grande 26º 15º

Ex-secretário prestou depoimento sobre caso Solurb como testemunha

A- A+

O ex-secretário municipal de infraestrutura, transporte e habitação Semy Ferraz, emitiu há pouco uma nota de esclarecimento sobre matérias veiculadas hoje na imprensa acerca de seu suposto envolvimento em uma investigação conduzida, sob sigilo, pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) sobre suposta tentativa de extorsão praticada pelo empresário Thiago Verroni contra a empresa Solurb.

Conforme a publicação, Semy seria um dos dos possíveis envolvidos, embora a matéria em si afirme que, por enquanto, o único denunciado é Thiago Verroni, e ratifique a informação de que Semy Ferraz prestou depoimento na condição de testemunha. Na nota, o ex-secretário reafirma sua condição de testemunha e esclarece que recebeu de Elcio Terra, superintendente da Solurb, tido como vítima de extorsão assim como a empresa, em 2005, quando o conheceu e era deputado, a informação de que a licitação que se concretizaria em 2012, era do tipo "carta marcada" e daria vitória a empresa. Fato que ele mesmo, enquanto deputado estadual, denunciou à época.

Heloísa Lazarini

Segue abaixo a íntegra da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 A propósito de reportagem citando meu nome em torno de suposta extorsão envolvendo a empresa Solurb, esclareço que fui ouvido pelo Gaeco como testemunha e não como suspeito ou envolvido.

Esclareço ainda que conheci Élcio Terra em 2005, antes do mesmo vir a se tornar superintendente da Solurb, ocasião em que era Deputado e que o Sr. Elcio Terra era gerente da Vega Sopave. Naquela oportunidade o mesmo me procurou, denunciando que havia uma armação para “dar” o contrato da coleta de lixo ao grupo empresarial liderado por Fernando Garcia da Financial Engenharia.

Nessa ocasião, o Sr. Élcio Terra me forneceu subsídios, inclusive relatando que - sendo uma licitação de cartas marcadas - o grupo empresarial – atual Solurb - tendo certeza que seriam vencedores - havia comprado Caminhões novos (Coletores de Lixo), indicando o local onde os mesmos se encontravam. Pagou, inclusive, um avião para fotografar os Caminhões, o que me possibilitou, naquela oportunidade, a denunciar o caso ao Jornal Correio do Estado, que publicou as fotos e as suspeitas.

Quanto a denúncia de extorsão esclareço que na verdade o Sr. João Amorim, sogro do Sr. Luciano Dolzan, em cujo nome se encontra a empresa LD, que possui 50% da Solurb, havia comentado que o melhor caminho para a Solurb seria distender as relações com o Sr. Thiago Verrone, resolvendo uma pendência com a empresa Metap, com a qual teria sido pactuado participação de no mínimo 10% dos serviços de coleta e tratamento de resíduos sólidos.

Posteriormente, o Sr. Elcio Terra se reportando a posicionamento de João Amorim, solicitou-me o telefone de Thiago Verrone, que sabia que eu conhecia, pedindo também que eu entrasse em contato com o mesmo estimulando um encontro.

Toda minha participação no episódio se resumiu a colocar Thiago Verrone a par do propósito manifestado por interlocutores da Solurb e estimulá-lo a iniciar um diálogo.

Posteriormente fiquei sabendo que o representante da Solurb havia gravado as conversas travadas comigo, sendo uma delas a que compõe o inquérito do Gaeco, em face de Thiago Verrone, a qual deixa claro que minha participação se resumiu a atender o pedido do representante da Solurb e que, ainda, inexistia qualquer interesse ou propósito espúrio de minha parte.

Tomei conhecimento da denuncia de extorsão ao prestar depoimento no inquérito policial como testemunha, não sendo verdade que saberia da existência de investigação, esclarecendo ainda que ouvi dizer que seria alvo de busca e apreensão, mas relacionado ao episódio das gravações de afirmações do Sr. Ronan Feitosa, ou seja, envolvendo a cassação do ex-Prefeito Alcides Bernal, que já havia resultado em diligências de busca e apreensão na residência do Prefeito Olarte e de toda sorte de boatos.

Exatamente por isso que reportei ao Prefeito a existência desses boatos, que não possuem qualquer correlação com esse episódio envolvendo a empresa Solurb e o Sr. Thiago Verrone.

Repudio insinuações de que eu teria sido portador de interesse de Thiago Verrone em fazer acordo com a Solurb, porque a iniciativa de iniciar um diálogo com o mesmo partiu dos representantes da Solurb, estando evidenciado nas gravações que eu não possuía nenhum interesse pessoal ou espúrio, razão pela qual figurei no inquérito como testemunha.

Salvo se possuírem interesses espúrios em me atingir -  sabendo-me isento - os representantes da Solurb, oficial e extraoficial, públicos e ocultos, inclusive o Sr. João Amorim, possui o dever moral de esclarecer a verdade em relação a minha pessoa.

Campo Grande-MS, 17 de novembro de 2014.

Semy Alves Ferraz