07 de maro de 2021
Campo Grande 30º 20º

Lâmpadas de LED

'O projeto vai mudar o modelo de iluminação pública' diz vereador

Na manhã desta quarta-feira (2) aconteceu uma audiência pública na Câmara Municipal de Campo Grande com finalidade de debater a possibilidade trocar as lâmpadas de mercúrio por LED nas ruas da Capital.

Na ocasião esteve presente além do presidente da Comissão Permanente de Industria Comércio Agropecuária e Turismo, vereador Alex do PT, como também membros da comissão, representantes comerciais e o gerente de Iluminação Publica da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação (Seintrha) Laércio Araujo.

Laércio afirmou que existem 19 projetos aguardando licitação e que as principais avenidas de Campo Grande estão na lista de prioridade para troca de lâmpadas, no caso a Afonso Pena e Mato Grosso. O gerente disse ainda que o valor disponível para esse projeto é de R$ 39 milhões e que o retorno desse benefício pode vim em até cinco anos, levando em consideração que o custo das lâmpadas de LED é maior do que as lâmpadas convencionais.

“Com toda certeza esse é um dos melhores caminhos, com as lâmpadas de LED o custo com iluminação vai cair pela metade, nós temos essa informação de cidades que já passaram por essa experiência e estão satisfeitas. Despesas com manutenção nesse caso também é bem menor. Porém a questão do retorno do investimento só será percebida no prazo de cinco anos, o custo com as lâmpadas é bem maior”.

Na audiência também foi debatido também como seria a contratação desse serviço e uma possível parceria público-privada.

De acordo com Alex, esse projeto vai mudar o modelo de distribuição de energia, terá um sistema de monitoramento automático o que facilitaria e muito a manutenção e economia com os gastos.

 “Não dá para continuar nesse modelo de nós pagarmos um alto preço e não ter o serviço adequado, a ideia é de que com um prazo de cinco anos entre a consolidação da parceria publica-privada, a gente tenha condições de ter toda a iluminação de Campo Grande substituída, caso a prefeitura entenda como modelo correto de se fazer. Esse sistema é inteligente, ele sabe a hora de acender, a hora de diminuir e tudo a hora de trocar, existem cidades que isso já acontece e está dando certo”.