16 de setembro de 2021
Campo Grande 32º 20º

INFRAESTRUTURA

Prefeitura conclui 84% de tubulação de esgoto às margens do Rio Anhandui

O próximo passo, segundo a administração, será a retomada da construção dos paredões de gabião na margem direita do Rio

A- A+

A prefeitura de Campo Grande comunicou por meio de seu portal de informação nesta 3ª-feira (8.dez.2020), que 84% da tubulação de esgoto às margens do Rio Anhanduí na Avenida Ernesto Geisel está concluída. Já fazem 4 meses desde o início da obra. O próximo passo, segundo a administração, será a retomada da construção dos paredões de gabião na margem direita do Rio, no sentido-centro. 

Há uma temporada a avenida está interditada para a obra que acontece justamente na Ernesto Geisel, sentido centro. A estimativa é que na segunda quinzena de janeiro haja a interligação do interceptor à rede existente para caminhar aos paredões. 

Conforme a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos da Capital. Até o momento foram feitos 1.050 metros, quando o total a se fazer é 1.250 metros de tubulação. A valeta aberta às margens no rio na Via, tem 3,5 metros de profundidade, que já está sendo soterrada, para assim refazer o pavimento e liberar novamente a pista.

A previsão de refazimento do asfalto depende da chuva, segundo a administração, assim que der uma trégua, os 400 metros de pista entre o Ginásio de Esportes Guanandizão e a Rua Aquário serão refeitos. Na travessia sobre a ponte que interliga o Marcos Roberto com a Vila Jacy a intervenção já foi concluída.

RETOMADA

As obras de revitalização e controle de enchentes no Rio Anhandui foram retomadas em agosto. O serviço estava parado há 9 meses por causa de atrasos no repasse de recursos federais. Foi preciso também aguardar a Caixa Econômica Federal aprovar a reprogramação do projeto, que terá um custo adicional de R$ 1.240 milhão, custeado com recursos próprios, viabilizados em parceria com o Governo do Estado.

O valor cobre os gastos com a implantação do emissário de esgoto entre a Rua Ceres e as proximidades do Guanandizão. A nova tubulação substituirá a atual, que fica rente à margem esquerda (sentido bairro) do rio, onde também serão erguidas as paredes do gabião.

Pelo emissário é escoado o esgoto coletado na cidade até a Estação de Tratamento no Los Angeles. A proposta inicial era erguer o gabião da margem esquerda, alinhando ao interceptor. Entretanto, após as primeiras movimentações de terra, se constatou que o aterro que abriu caminho para implantação das pistas da Avenida Ernesto Geisel não resistiria, além de colocar em risco o interceptor, com consequências imprevisíveis em termos ambientais.

O projeto de revitalização do Anhanduí é de 2011 e teve duas licitações e uma ordem de serviço assinadas e canceladas em 2012. Em 2014, também fracassou a segunda tentativa de licitação. Calculou-se que seria preciso R$ 68 milhões para executar o projeto até o final da Avenida Ernesto Geisel, no Aero Rancho, com R$ 28 milhões de contrapartida.

Com a atualização das planilhas, além de alguns ajustes no projeto, o recurso, assegurado por um convênio firmado em 2012 com o Ministério das Cidades (R$ 42,7 milhões em valores corrigidos), será suficiente apenas para executar o projeto entre as ruas Santa Adélia e do Aquário numa extensão de 1.670 metros.

A obra faz parte de um conjunto de ações para controle de enchentes nos bairros Marcos Roberto, Jockey Clube, Jardim Paulista e Vila Progresso. Foram investidos R$ 26 milhões em rede de drenagem e intervenções em afluentes do rio (os córregos Cabaça e o Areias), que despejam suas águas no Anhandui.

*Com assessoria