04 de agosto de 2021
Campo Grande 26º 16º

Prefeitura pretende entregar nove creches até dezembro

A- A+

A prefeitura de Campo Grande planeja entregar nove dos 20 Ceinfs (Centros de Esucação Infantil) lançados em 2012 até o final de dezembro. Segundo o prefeito Gilmar Olarte (PP), 8 mil crianças estão na fila de espera para conseguir uma vaga em creche.

As novas unidades vão garantir acesso à educação infantil para 960 crianças na faixa etária de quatro meses a quatro anos de idade. Até agosto a Semed (Secretaria Municipal de Educação) pretende colocar em funcionamentos os Ceinfs dos bairros Vida Nova, Residencial Oiti, Jardim Tijuca e Moreninha IV.

No fim do segundo semestre, ficam prontos os Ceinfs do Residencial Bethaville; Jardim Noroeste , Santa Emília e Vida Nova. De acordo com o secretário de obras, Semy Ferraz, algumas empreiteiras estão trabalhando com equipes reduzidas porque ainda não receberam neste ano pelas últimas medições de 2013, mas os pagamentos estão sendo normalizados.

Apenas o Ceinf planejado para a Vila Nogueira não teve a construção iniciada porque a área destinada inicialmente está invadida. O projeto da unidade educacional foi remanejado para a Vila dos Radialistas, que é também na mesma região.

A construção dos 20 centros de educação infantil representa investimento de R$ 38,9 milhões. Estas unidades vão assegurar a abertura de 2.400 vagas para educação infantil. Atualmente, o município conta com 96 ceinfs que atendem cerca de 15 mil crianças.

Em 2015, a prefeitura pretende entregar os Ceinfs Oliveira 3, Vila Popular, Zé Pereira, Vespasiano Martins, Jardim Inapólis; Jardim Anache; Jardim Moema; São Conrado; Jardim Centenário ; Talismã , Radialista e Nascente do Segredo.

Prédio do Cenc vai ser utilizado por Ceinf O prédio do Cnec (Campanha Nacional de Escolas da Comunidade) Oliva Enciso, localizado no cruzamento da Avenida Afonso Pena com a Rua 25 de Dezembro, também será readaptado e abrigar o Ceinf Eleodes Estevan que hoje funciona na Rua Piratininga. A mudança deve ocorrer nos próximos 15 dias. Com a medida, a prefeitura vai economizar R$ 3,7 mil que pagava mensalmente pelo aluguel do outro prédio. Após ter realizado audiências públicas e discutido com diversos segmentos da sociedade sobre o destino do prédio, o vereador Eduardo Romero (PT do B) comemorou a decisão. “Lutamos para termos de volta um patrimônio que deixou de cumprir seu papel quando foi doado e que agora pertence ao município novamente”, lembrou.

Redação