31 de outubro de 2020
Campo Grande 26º 18º

Secretário trabalha para atender maior demanda da população que é o asfalto

De acordo com Semy, a principal reclamação da população de Campo Grande é a falta de pavimentação asfáltica. “Com certeza essa é a maior reclamação da população, temos 1.500 km de pavimentação asfáltica e estamos fazendo 157 km do trevo Imbirussu, que envolve drenagem asfalto e calçada. Para sanar o problema da Capital, precisaríamos de R$ 3 bilhões, é um orçamento do ano todo para investir em asfalto, então temos que ir fazendo de acordo com alguns orçamentos liberados no ano”.

O secretário afirma que conforme o aumento do perímetro urbano, a cidade continuará passando por essas dificuldades. “Temos que controlar o aumento do perímetro urbano, porque temos lugares vazios com asfalto e locais onde existem famílias residindo em ruas sem essa pavimentação asfáltica. A pressão dos empreendedores é fazer para ampliar o perímetro urbano é grande, porque o terreno é mais barato, mas temos que levar em consideração que com a distância, que a rede de energia é mais longe, o esgoto é mais longe, entre outras coisas”. Para Semy, o correto seria os empreendedores serem obrigados a entregarem loteamentos com rede de energia, rede de água e asfalto. “Financiamentos feitos pela Caixa Econômica exigem asfalto, mas outros empreendedores não oferecem isso e o correto seria entregar as casas com tudo”. Região da Lagoa

O titular da Seintrha (Secretaria Municipal Infraestrutura, Transporte e Habitação), Semy Ferraz admitiu que não existe previsão de projetos de infraestrutura para a região da Lagoa, em Campo Grande e ressalta que o único serviço que será exercido na região é de limpeza e cascalhamento. “Por enquanto não temos nenhum projeto para essa região, temos um recurso que o ministério das cidades liberou de R$ 35 milhões, mas podemos citar como exemplo o bairro São Conrado e o Santa Emília que para fazer seria necessário um investimento de R$ 82 milhões e temos apenas R$ 35. Mas isso é emenda parlamentar e aquela região não está contemplada. Para a região da Lagoa temos o serviço de limpeza e cascalhamento que estava atrasado há três anos”, explica o secretário.

Dany Nascimento