20 de setembro de 2020
Campo Grande 27º 19º

PANDEMIA

Secretário critica judicialização contra prefeito para lockdown em Campo Grande

"Hora que a gente começa a discutir e achar que a caneta de um magistrado pode resolver essa situação, provavelmente a Covid está dando um passo adiante", disse Eduardo Riedel

Leia também

• Lockdown é a única saída para evitar colapso na Capital, alerta Infectologista

• 'Município perdeu o rumo', diz Defensor em pedido de lockdown para a Capital

• "Não acredito que o lockdown total possa ser a solução" diz Reinaldo Azambuja

O Secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel, criticou nesta manhã (5.agosto), a judicialização como medida de fazer gestores municipais aderirem ao lockdowm, em clara alusão a situação enfrentada pelo prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD). “Não acreditamos na judicialização extrema e generalizada como ferramenta de discussão. Hora que a gente começa a discutir e achar que a caneta de um magistrado pode resolver essa situação, provavelmente a Covid está dando um passo adiante em relação as consequências, seja para a vida das pessoas, seja para economia”, apontou Riedel.  

O secretário também disse que o Governo de Reinaldo Azambuja não 'prega lockdown'. "Não é verdade" que estamos pregando lockdown, garantiu o secretário. 

Para Riedel, Campo Grande está em risco extremo e deve seguir o decreto que estabelece a abertura apenas dos comércios essenciais, nesse ponto deve estar concentrada o debate.   

O secretário também criticou fórmulas mágicas e alertou sobre o que para ele, não é uma novidade. “Não é novidade que estamos vivendo o pior momento da pandemia no Estado”, e completou. “Não há solução mágica para a Covid-19, não vamos tirar da cartola uma solução”.   

Riedel disse que é preciso todos estarem unidos, e deve-se combater a perda do bom-senso. “O maior inimigo da pandemia é nós perdermos a capacidade de dialogarmos”, opinou.  

Riedel também deixou registrado solidariedade aos prefeitos que segundo ele, tem que tomar difíceis decisões nesta pandemia.