04 de julho de 2022
Campo Grande 31º 23º

Trabalhadores da construção civil temem não receber reajuste em março

A- A+

Os trabalhadores na indústria da construção civil de Campo Grande se reuniram hoje para discutir possibilidade de greve  caso a classe patronal não aplique o reajuste salarial referente à Convenção Coletiva de Trabalho 2015/16.

O reajuste de 12,80% para os pisos e para quem ganha acima dos pisos, passa a vigorar a partir de 1º de março, data base da categoria. O presidente do sindicato, Abelha Neto, espera que a categoria não tenha que recorrer a medidas extremas, como a greve, que realizou em 2014 para conseguir a aprovação de percentuais de reajuste dignos do trabalho dos operários.

“Este ano estamos pedindo um percentual justo, que nos dá uma pequena margem de lucro acima das perdas salariais para a inflação ocorrida nesses 12 meses que antecedem nossa data base”, explica Abelha.

Abelha, no entanto, admite que a categoria está receosa já que ainda não obteve resposta da classe patronal sobre pagamento do novo salário. “Nós encaminhamos a pauta de reivindicação, mas até agora a classe patronal ainda não marcou data para sentarmos e discutirmos os avanços que devemos aprovar em benefício da classe trabalhadora”, afirmou.

Além desse justo percentual de reajuste de 12,8%, que cobre as perdas da inflação e dá ganho real aos vencimentos dos trabalhadores, a categoria, segundo Abelha, também exige vale alimentação de R$ 15 diários; participação no lucro das empresas; cesta básica de alimentos; auxílio medicamento; abono de 15% em uma única parcela; café da manhã; qualificação de mão de obra e melhorias substanciais nas áreas de saúde e segurança no trabalho.