01 de outubro de 2020
Campo Grande 41º 24º

DENAR prende trio responsável por venda de cocaína a caminhoneiros

Uma associação criminosa especializada na venda e distribuição de drogas para caminhoneiros, que vinha agindo nas estradas que cortam Campo Grande (MS), foi desmantelada esta semana por policiais civis da DENAR (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico).

De acordo com o delegado adjunto da DENAR, Dr. João Paulo Sartori, responsável pelas investigações, o bando era comandado por Odenir Dias de Alencar, 37 anos, conhecido por caminhoneiros e criminosos como “Demi” ou “Patrão”. Wendryw Martins dos Santos, 22 anos, o “Dril” foi contratado pelo acusado para realizar a entrega de drogas e Luiz Carlos Rodrigues, 44 anos, vulgo “Gigante”, tinha a incumbência da guarda da cocaína.

Policiais civis da DENAR que há dias monitorava a associação criminosa, flagraram Wendryw entregar drogas para um caminhoneiro, em um posto de combustíveis localizado na saída para Cuiabá. E. G., 47 anos foi abordado e com ele os investigadores encontraram e apreenderam 2 papelotes de cocaína. O caminhoneiro admitiu ser usuário e que constantemente compra cocaína do grupo e que em algumas ocasiões foi o próprio Odenir quem fez a entrega do entorpecente.

“Nós demos prosseguimento nas diligências e quando já era noite flagramos o próprio Odenir fazendo entrega de cocaína. Desta vez em um posto de combustíveis localizado na BR-163, no Jardim Itamaracá”, relata o delegado. Nesta ação o acusado entregou para E. R. S., 28 anos, 5 papelotes da droga.

PANELAS

Odenir foi preso próximo ao posto. O veículo Fox, cor branca, utilizado por ele para o tráfico foi apreendido, juntamente com mais R$ 460 em dinheiro. Buscas foram realizadas na casa de Odenir, no bairro Moreninhas, onde os policiais encontraram mais 7 papelotes de cocaína, mais R$ 830 em dinheiro, um veículo Civic, cor preta e uma planilha de contabilidade.

Com um movimento anual de mais de R$ 938 mil, estranhamente a planilha faz referência a vendas de “panelas”. Dr. Sartori acredita que esta seja a forma encontrada pelo acusado para não chamar a atenção da polícia.

Também foram realizadas buscas na casa de Luiz Carlos, onde a polícia encontrou enterrado no quintal, dentro de um galinheiro mais de 1 quilo de cocaína pura, colher dosadora. “O acusado tinha na associação criminosa a obrigação de guarda da droga, que aos poucos era vendida aos caminhoneiros”, explica o delegado.

DÍVIDA

Wendryw foi preso no trabalho, na rua Padre João Delfino, no bairro Itamaracá. Com ele os policiais apreenderam 6 papelotes de cocaína, um telefone celular, uma motocicleta, cor vermelha. “Dril” disse aos investigadores que contraiu uma dívida de mais de R$ 3 mil com Odenir e que fez um acordo de quitação, através do qual era responsável pela entrega diária de 10 papelotes de cocaína, a caminhoneiros apontados pelo “Patrão”. “Cada papelote era vendido por R$ 50, sendo que desse total 50% era abatido do total da dívida, ou seja R$ 25”, explica Dr. Sartori.

O trio foi preso em flagrante e autuado por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Após a prisão os acusados foram encaminhados para o sistema penitenciário, onde permanecem a disposição da justiça.

Perfil News