29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

SEM PROVAS

Militar acusa catador morto em operação de ser autor da própria morte

Militar mata (de novo) catador de recicláveis que salvou família no Rio

Ontem, segunda (16), o tenente Ítalo Nunes, comandante da patrulha, que alvejou e matou Luciano Macedo, catador de materiais recicláveis, morto ao tentar salvar a família do músico Evaldo dos Santos, cujo carro foi alvejado por militares, em Guadalupe, Zona Norte do Rio, em abril, o caso foi amplamente divulgado pela imprensa, já que a ação policial custou a vida do músico que estava indo para um chá de bebê junto com a família quando, segundo a polícia, foram confundidos com bandidos. Evaldo também morreu. O Chocante é que em depoimento à Justiça Militar, trouxe uma nova justificativa, mas sem provas: disse que o catador estava armado e atirou em sua direção.

A arma que Luciano teria usado? A perícia só encontrou a dos nove militares que respondem por duplo homicídio. Ao todo, aliás, foram 257 tiros disparados por eles, dos quais 83 atingiram o carro.

"Nas imagens feitas posteriormente de cima, é possível ver uma das ocupantes do carro olhando para o chão, procurando algo. As imagens não mostram arma no chão, mas esta postura é suspeita. Se ela estava olhando para baixo, certamente sabia que encontraria algo. Possivelmente um armamento", disse o tenente em seu depoimento. O registro é de Gabriel Sabóia, do UOL.

A mulher, o filho pequeno e uma enteada não se feriram. O sogro de Evaldo foi atingido, mas sobreviveu.

Luciano Macedo morreu, aos 27 anos, depois de lutar 11 dias por sua vida no Hospital Carlos Chagas. Estava com a esposa, grávida de cinco meses, catando madeira para construir um barraco e garantir um teto aos três. Viu o desespero da família e foi ao seu socorro para retirá-los do carro.

As Forças Armadas nem deveriam estar atuando em contato direto com a população, mas em apoio a outros agentes de segurança e em serviços de inteligência. O Brasil segue adotando o terrorismo de Estado contra seu próprio povo. Dessa forma, vamos nos afastando das mudanças estruturais para garantir paz - que incluem um poder público que pense em qualidade de vida para todos e forças de segurança treinadas para não matar como reação básica.

Não há ordens diretas para metralhar negros e pobres da periferia dadas pelo comando do poder público. Mas nem precisaria. Primeiro, as forças de segurança em grandes metrópoles são treinadas para garantir a qualidade de vida e o patrimônio de quem vive na parte "cartão postal", atuando na "contenção" dos mais pobres. Segundo, com um governador e um presidente que apoiam a letalidade policial como política de combate à violência, a percepção da impunidade ajuda a apertar o gatilho primeiro e só perguntar depois.