MS Notícias

segunda, 30 de maro de 2020

FEMINICÍDIO

Mulher diz "não" a assediador e leva 18 facadas no meio da rua

Feminicídio: mulher é atacada com 18 facadas após dizer 'não' a assediador. A vítima voltava para o trabalho na hora do almoço quando o crime aconteceu. Homem acabou linchado por testemunhas

Por: Pragmatismo Político21/02/2020 às 16:17
ComentarCompartilhar

Adriana Aparecida da Silva, de 42 anos, é mais uma vítima de feminicídio no Brasil. A mulher de 42 anos foi assassinada com 18 facadas por Clayton Ribeiro, de 38 anos. O crime ocorreu em Jundiaí (SP) nesta quarta-feira (19).

Um dia antes de ser morta, Adriana foi assediada por Clayton. “Na hora que ela estava indo para o almoço e passou na frente, ele mexeu com ela e falou que ‘toda vez que ela passava o coração dele disparava’. Ele pegou no braço dela, ela saiu e disse que era bem casada. Mas não era. Falou para despistar mesmo”, afirmou o patrão de Adriana, Vladerson Passos.

A vítima voltava para o trabalho na hora do almoço em uma moto quando, ao diminuir a velocidade do veículo em uma lombada, foi atacada pelo homem. Adriana trabalhava como auxiliar de informática.

Testemunhas contam que Adriana, mesmo ferida, tentou fugir, mas Clayton a atacou com facadas no peito. Segundo a perícia, ela levou pelo menos 18 facadas.

“Ela virou de frente e ele foi por cima para dar facadas. Meu vizinho tentou segurar, mas ele conseguiu sair e acertou facada no peito”, afirma uma testemunha.

Na sequência, moradores que presenciaram o crime conseguiram deter o agressor, que trabalhava como borracheiro. Eles o amarram e o agrediram com socos e chutes. Um vídeo mostra o momento em que o homem foi amarrado. Ele chegou a ser socorrido pelo Samu, mas morreu no hospital.

Adriana e Clayton foram enterrados nesta quinta-feira (20).

Feminicídio no Brasil

No Brasil, 13 mulheres são mortas por dia. No total, 4,8 em cada 100 mil mulheres morrem por violência doméstica – essa taxa coloca o Brasil em quinto lugar no ranking de violência doméstica criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A cada 1 hora e meia, uma mulher morre no Brasil por causas violentas – e, nesse cenário, o marido ou namorado é responsável por mais de 80% dos casos. Os dados são de pesquisas do Ipea, Mapa da Violência e do SESC.

A denúncia de violência doméstica pode ser feita em qualquer delegacia, com o registro de um boletim de ocorrência, ou pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), serviço da Secretaria de Políticas para as Mulheres. Vale lembrar: a denúncia é anônima e gratuita, disponível 24 horas, em todo o país.

Para proteger e ajudar as mulheres a entenderem quais são seus direitos, em 2014, a Secretaria lançou um aplicativo para celular (Clique 180) que traz diversas informações importantes, como os tópicos da Lei Maria da Penha.

O Código Penal estipula a pena de reclusão de 12 a 30 anos para o homicídio contra a mulher por razões da condição de sexo feminino (feminicídio).

Deixe seu Comentário

TV MS

27 de maro de 2020
Isolamento vertical ocasionará genocídio, diz Fábio Trad
Isolamento vertical ocasionará genocídio, diz Fábio Trad

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma