15 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

Polícia prende quadrilha que roubava carros e sequestrava famílias

Diana Christie

A PC (Polícia Civil) apresentou hoje na Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos) uma quadrilha especializada em roubos de veículos em Campo Grande formada por 27 homens e um adolescente de 14 anos.

De acordo com a delegada da Defurv, Maria de Lourdes Cano, a quadrilha era composta por 15 mandantes, que davam as ordens através de celulares de dentro da prisão, e por 13 executores que faziam as abordagens das famílias. O bando é responsável pelo roubo de dois caminhões, três camionetes e dois veículos de passeio.

Inicialmente, a quadrilha contratava as vítimas para trabalhar com frete e as atraía para um local isolado. Com o aprofundamento das investigações da polícia, os bandidos começaram a manter as vítimas em cárcere privado por tempo suficiente para conduzir os veículos roubados para o Paraguai ou para a Bolívia.

Os autores foram indiciados por roubo qualificado, cárcere privado, uso ilegal de arma de fogo, transporte de veículo para outro país, formação de quadrilha, corrupção de menores, entre outros crimes. Apenas o primeiro caminhão roubado não foi recuperado.

Jeferson de Oliveira Mendes, conhecido como Castor, foi o último suspeito a ser encontrado. Ele foi preso em sua casa na tarde de ontem. Castor, além de já ter passagem pela polícia, era o responsável por amarrar e ameaçar as vítimas e foi apontado como o mais violento do grupo.

Também participavam dos assaltos: Thiago Gabriel Martins da Silva, Denilço Antunes da Silva, Hernani Zanin Filho, Juliano Lauriano da Silva, Ednei Garcia Moura, Adalberto Lima de Oliveira, Eduardo Silva Tavares, Marcio Alencar Dutra, Gabryell Ventura, Ricardo Nunes Fialho, Diego Ramos da Silva, Talles Lafaete de Oliveira, Aslan Toledo Teixeira e Diego Dias Bispo.

A quadrilha agiu desde o dia 27 de agosto até 04 de outubro. Eles fizeram assaltos nos bairros Guanandi, Carandá Bosque, Amambai, Jardim Tarumã e nas proximidades das universidades Uniderp Agrárias e UCDB (Universidade Católica Dom Bosco). Além dos veículos, eles levavam aparelhos eletrônicos e dinheiro das vítimas.