04 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

Por Marina, PSB terá plano de 'cidade sustentável'

Marina_Silva_2008

Yahoo Notícias

Integrantes da Rede, cujo registro foi negado pela Justiça Eleitoral, e os do PSB, que abrigou os “marineiros” sem partido, começam a chegar a um primeiro consenso no prometido “debate programático” iniciado há uma semana: transformar a reforma urbana, sob o conceito de “cidade sustentável”, em prioridade do projeto presidencial que une a ex-ministra Marina Silva e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

A ideia dos dois grupos, que ainda divergem em uma série de questões, é “vender” a ideia de que hoje os principais problemas ambientais estão nas cidades. “Quer assunto mais relacionado com o meio ambiente do que falta de esgoto e de água potável? Do que a falta de um transporte público de qualidade que alivie o trânsito dos grandes centros?”, diz o primeiro-secretário nacional do PSB, Carlos Siqueira.

O tema é caro a Marina, ex-titular do Meio Ambiente do governo Luiz Inácio Lula da Silva que anunciou apoio a Campos tão logo viu ruir seu projeto de criar um novo partido a fim de disputar o Planalto em 2014.

“O PSB sempre falou de reforma urbana, só não usávamos a palavra ‘sustentabilidade’, que talvez seja um termo mais contemporâneo. Mas é apenas uma questão de vocabulário, porque o conceito é o mesmo”, diz Siqueira, segundo quem, desde 2002, o tema aparece em programas de governo do PSB.

Além de valer como um assunto afim entre PSB e a Rede, coordenadores da sigla acreditam que uma proposta de programa robusto e de impacto voltado para a reforma urbana pode responder em cheio aos pedidos dos manifestantes que tomaram as ruas em junho.

O programa, ainda em fase embrionária, teria como objetivo focar na questão de “políticas integradas”, com ações coordenadas nas áreas de educação, saúde, mobilidade, segurança, cultura e esportes para garantir a vida “sustentável” na cidade.

 Lições

 Campos foi ministro de Ciência e Tecnologia durante o primeiro mandato de Lula - integrava o ministério junto com Marina. Sua ideia, segundo aliados, é explorar o tema “cidade sustentável” a fim de apresentar uma pauta que vá além do combate à miséria, já explorado pelos petistas nas eleições anteriores. Quer, assim, reforçar seu discurso segundo o qual “é possível fazer mais”.

Esse discurso segundo o qual “é possível fazer mais” vem sendo feito por Campos, até agora, principalmente para criticar a condução da economia do País pela presidente Dilma Rousseff. Marina também entrou no debate com duras críticas à gestão da petista. Lula, na semana passada, saiu em defesa de Dilma, sua afilhada política. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.