01 de julho de 2022
Campo Grande 30º 19º

RICHA POLÍTICA | CASA DE LEIS

Acusado de 'bang bang' na ALEMS, bolsonarista desenterra vídeo contra petista

Um semestre atrasado, deputado do PL quer investigação

A- A+

Acusado de fazer um 'bang bang' numa sessão da Assembleia Legislativa sul-mato-grossense (ALEMS), como mostramos aqui no MS Notícias, o deputado bolsonarista João Henrique Catan (PL-MS) desenterrou 'um assunto' de um vídeo em que o deputado petista, Pedro Kemp, aparece irritado com a candidata a vereadora do PT Karla Cânepa. O fato ocorreu em outubro de 2020 e divulgamos aqui no Portal. Na época, Kemp disputava a prefeitura da Capital. 

Sem qualquer munição para justificar sua atitude no mínimo estranha na ALEMS, o bolsonarista solicitou ontem (24.mai.22), um semestre atrasado, que seja investigada a conduta "inadequada do parlamentar do PT".  

A medida de João é visivelmente uma 'cortina de fumaça' para tentar abafar a sua situação, já que numa demonstração num clube de tiros, o bolsonarista não apenas disparou uma arma de fogo durante um sessão oficial da Casa de Leis, mas também ameaçou aqueles que tenham ideologias políticas diferentes da sua: “Esse projeto é um tiro de advertência no comunismo", disse, ao votar um projeto casado que beneficiava desportistas de tiro e também caçadores. Destacamos aqui no MS Notícias, que o teor do projeto é estranha a atuação política de João Henrique, já que em seu mandato, o deputado contribuiu com PLs em favor da causa animal. Apesar disso, nesse último, afagou caçadores. 

A ofensiva de João Henrique, é devido a Kemp ter protocolado uma representação em desfavor ao bolsonarista na semana passada na Corregedoria da ALEMS. No documento, ele acusa João Henrique de ser agressivo ao atirar durante uma sessão plenária. Os disparos ocorreram quando o deputado comemorou a aprovação de seu projeto pró-Cacs. Após dar tiros contra um alvo com insígnias 'comunistas', João Henrique acabou reprimido até pelo presidente da Casa de Leis, o também bolsonarista Paulo Corrêa (PSDB), que condenou a atitude: “Não pode fazer isso, houve um exagero”, alertou.  

João Henrique vem sustentando que a medida era 'uma demonstração de tiro desportivo'. Ele, porém, não explicou o porque não estava no expediente na ALEMS naquele dia. O bolsonarista chegou a comparar sua demonstração com uma visita a escola de outro parlamentar.

Questionado quanto a ameaça a ideologias de esquerda e lembrado por Kemp no dia seguinte na ALEMS que seu avô trabalhou em governos de esquerda, João Henrique se calou.  

DISTORCEU O PRÓPRIO PROJETO 

Projeto de Lei 417/2021 de autoria de Catan, foi aprovado por maioria na ALEMS. O PL reconheceu em MS, o risco da atividade de atirador desportivo, de integrante de entidades de desporto legalmente constituídas, com a finalidade de contribuir com os interessados em retirar o porte de armas de fogo, nos termos do inciso IX do artigo 6° da Lei Federal 10.826/2003. 

Junto à proposta, foi apensado o Projeto de Lei 22/2022, de autoria do deputado Capitão Contar (PRTB) que permite atividade dos Colecionadores, Atiradores e Caçadores como atividade de risco em MS, para os fins do artigo 10, parágrafo 1º, inciso I, da Lei Federal 10.826/2003.

Na sua declaração de voto, no entanto, pouco antes de dar os tiros, Catan distorceu informações sobre o projeto destinado ao desporto. Ele disse: "Senhor presidente, a aprovação desse projeto visa ajudar armar o cidadão de bem. O armamento acaba com as invasões ilegais, diminui a criminalidade, prevalecendo o nosso direito de propriedade", discursou, repetindo uma sequência 'lemas' das alas de extrema-direita bolsonarista. Apesar da fala, não é disso que se trata o projeto aprovado na ALEMS, isso é, o deputado distorceu o teor do seu próprio projeto. Tal constatação foi apontada por colegas no dia seguinte, que tinham votado a favor, mas diante da apresentação de João Henrique, reconsideraram, votando negativamente ao PL.   

INVESTIGAÇÃO 

Ontem (23.mai) o corregedor da Alems, deputado Renato Câmara (MDB), disse que iria solicitar que o João Henrique Catan (PL) desse esclarecimentos em até 48h, sobre o 'bang bang'.

Câmara solicitou uma "Instrução processual, cientificado e oportunizando ao deputado João Henrique Catan, para que o mesmo apresente esclarecimentos”. O prazo para posicionamento do deputado autor dos tiros é de 48h.

“Caso o deputado João Henrique não cumpra o prazo, o processo será encaminhado ao Conselho de Ética”, informou a equipe do corregedor.