02 de agosto de 2021
Campo Grande 29º 14º

Alceu Bueno desrespeita lei e reabre depósito de material de construção

A- A+

O vereador Alceu Bueno (PSL) resolveu dar "um jeitinho" de continuar vendendo materiais de construção mesmo com seu depósito interditado pela prefeitura por desrespeitar a lei e operar sem licença ambiental.Conforme apurou a reportagem, Alceu Bueno está agora usando um terreno particular localizado na rua Expedicionário Gonçalo Meccemi como depósito. O terreno fica próximo ao Depósito Bueno, que está interditado desde o dia 14 de maio. O novo depósito, improvisado, configura-se em mais uma uma irregularidade. O local não possui muros nem grades para evitar que a poeria se esparrame pelas residências ao seu redor.Localizado em uma pequena rua sem saída, o terreno começou a ser utilizado, segundo moradores do local, que por segurança preferiram não se identificar, no último final de semana quando os funcionários do vereador e o próprio Alceu Bueno começaram a descarregar os materiais de construção. Para retirar os materiais como pedra e areia do Depósito Bueno, que está interditado, Alceu desrespeitou, mais uma vez, a lei e retirou o lacre da prefeitura dos portões do depósito abrindo o local, o que, por lei, não poderia acontecer.Endereço Falso  Outra irregularidade que está sendo investigada sobre o vereador é em relação à razão social que responde pelo Depósito Bueno. Depois de denúncias que apontam que Alceu poderia estar usando um empresa desativada em 2013 para emitir notas fiscais sem validade, o vereador agora emite notas em nome de outra razão social. A equipe do MS Notícias recebeu um nota de uma compra feita por um cliente do Depósito Bueno, em que consta nova razão social e novo endereço.O curioso é que na nota não consta a indicação de autorização da Agenfa (Agência Fazendária de Mato Groso do Sul) que controla emissão de notas fiscais. Outro fator que levanta suspeitas é que o endereço da empresa não existe. Na nota fiscal, a empresa Depósito Bueno Ltda-ME está localizada na avenida Cônsul Assaf Trad nº 100, este número não existe na avenida em questão. Heloísa Lazarini