22 de abril de 2021
Campo Grande 29º 18º

Alheio às manifestações, presidente do STF diz não entender reivindicações de servidores públicos

A- A+

O veto da proposta que concede reajuste aos servidores do judiciário voltou a ser repudiado hoje (5) durante uma pequena manifestação de servidores públicos federais de Mato Grosso do Sul, que  compareceram no Tribunal de Justiça de MS hoje pela manhã.

Do lado de fora, os manifestantes mostravam cartaz  e camisetas que  pediam a derrubada do veto.  Conforme a diretoria do Sindjufe/MS (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal e Ministério Público da União), Patrícia De Marco, o salário da categoria está defasado  há nove anos. Na oportunidade, os servidores protestaram contra o projeto substitutivo do STF Ricardo Lewandowski, sobre o reajuste dos servidores.

O  ministro do STF classificou como “equívoco” a atitude dos servidores que esbravejavam palavras contra o não reajuste da categoria. Segundo ele, diante do da atual conjuntura econômica do país a revisão salarial defendida pelo funcionalismo federal não condiz com a realidade. “Hoje com crise é inviável, nós tivemos uma negociação longa e dura com as autoridades e também com a presidente Dilma (Rousseff)”, disse ele.

Na opinião de Ricardo Lewandowski aumento de 41,3%, dado pelo governo federal que será pago em três anos, de forma semestral, é  excelente. “Nenhuma outra categoria conseguiu receber isto, sabemos que não se repõe as perdas salariais, mas foi o que conseguimos, por isso este inconformismo é inexplicável”, defende.

Lava Jato

Outro manifesto considerado equivocado por Lewandowsk foi o que ocorreu após a solenidade de inauguração das audiências de custódia realizada hoje (5) no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul,  quando integrantes do movimento Pátria Livre da Capital,  entoaram  manifesto em apoio ao  juiz federal Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato.

Os integrantes posicionam-se contrários à divisão do processo, que transfere parte do  julgamento no Supremo. O ministro considerou o protesto equivocado.  No protesto, os integrantes gritaram  palavras como  “Viva Sérgio Moro” e “Somos contra o fatiamento da Lava Jato.” O grupo foi  retirado do plenário  pelos seguranças do TJ/MS , sem tumulto.