06 de maro de 2021
Campo Grande 28º 19º

Aliados justificam ausência em agendas de Bernal e negam problemas com prefeito

O prefeito Alcides Bernal (PP) desde que retomou comando da Prefeitura de Campo Grande, em 27 de agosto deste ano, tem visto base aliada na Câmara de Vereadores de Campo Grande encolher e não consegue emplacar líder no Legislativo. 

Bernal perdeu apoio dos três vereadores do PT e hoje conta apenas com quatro parlamentares, que, embora se digam aliados, deixaram de marcar presença nos eventos públicos em que costumavam acompanhar Bernal. Atualmente, estão na base do prefeito: Luiza Ribeiro (PPS), Cazuza (PP), Betinho (PRB) e Eduardo Cury (PTdoB).

Se na primeira fase da gestão de Bernal era comum ver todos vereadores da base ao seu lado, agora, o prefeito tem contado apenas com presença de secretários e em alguns casos até de vereadores independentes, como aconteceu na semana passada com lançamento da retomadas das obras da UPA na região Moreninhas III, onde estavam presentes, Saci (PRTB), Chiquinho Telles e Coringa, ambos do PSD.

?Embora negue fragilidade da base, o prefeito tem encontrado dificuldade em ampliar apoio no Legislativo e não se vê articulação efetiva por parte dos aliados na tentativa de aumentar número de parlamentares que apoiam Bernal. Isso já tem se refletido na Câmara em relação à aprovação de projetos e derrubada de vetos, como aconteceu com veto de Bernal sobre projeto referente a casas populares quando prefeito sofreu derrota na Casa. 

Questionado sobre motivo pelo qual tem sido “esquecido” pelos aliados, Bernal respondeu que se trata de problemas de agenda. “Os compromissos dos vereadores são muitos e a agenda não bate por isso eles não comparecem aos eventos”, disse Bernal durante visita à Avenida Bandeirantes na sexta-feira (29) para vistoria da operação “tapa-buraco”.

Se na hora das agendas públicas, Bernal e vereadores da base se desencontram, pelo menos na hora de explicar razão da ausência, o discurso está alinhado. “A agenda do Executivo é muito extensa, e muitas vezes não dá para conciliar, mas não há problemas que possam gerar motivo de especulação”, justifica Luiza Ribeiro (PPS). 

Cazuza (PP) disse que não tem acompanhado prefeito por problemas de saúde. “Não estou indo nas agendas por motivos de saúde, mas a partir da próxima semana vou acompanhar”.