04 de agosto de 2021
Campo Grande 26º 16º

Para Mochi, entrada de Azambuja na disputa eleitoral não faz diferença para o PMDB

A- A+

Ao contrário do governador André Puccinelli (PMDB) que acredita que a possível pré-candidatura do deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) ao governo do Estado é um ponto positivo para todos os pré-candidatos, o deputado estadual e presidente regional do PMDB (Partido da Social Democracia Brasileira), Junior Mochi garantiu que seu partido não enxerga impactos de uma possível pré-candidatura de Azambuja na campanha do PMDB.

“Não temos uma avaliação sobre a possível pré-candidatura do Reinaldo, não estamos pensando nisso. Temos a certeza de que nosso partido tem grandes chances de vencer as eleições tanto para governo do Estado como para o Senado. A possível pré-candidatura do Azambuja não está nos preocupando de forma alguma e não interfere em nada”, afirma o deputado.

Mochi destaca ainda que o fato de o pré-candidato do PT ao governo do Estado, senador Delcídio do Amaral, ter sido ligado, mesmo que indiretamente, aos recentes escândalo da Petrobras, já minimiza a necessidade de se ter uma terceira via na disputa eleitoral. “Não é necessário ter o Reinaldo como pré-candidato ao governo do Estado para que Delcídio tenha rejeição, ele está tendo rejeição devido aos escândalos da Petrobrás. Ele está caindo por ele mesmo e ainda não temos a conclusão deste caso, tudo pode acontecer”, ressalta Mochi.

Questionado sobre o desejo de Nelsinho em trazer Azambuja para chapa peemedebista, Mochi diz que caso Reinaldo aceitasse entrar como vice, contribuiria para seu partido. “Se ele aceitasse fazer parte da nossa chapa seria muito bom, mas isso é muito difícil já que ele afirmou diversas vezes que só aceita se aliar se for como pré-candidato ao Senado ou ao Governo do Estado e nós já temos pré-candidatos, nossa realidade é o Nelsinho ao governo do Estado e a Simone ao Senado”.

Dany Nascimento