30 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 24º

CORUMBÁ

Após denúncia, irmãos de prefeito devolvem dinheiro do auxílio em MS

Prefeito de Corumbá ganha mais uma página no livro de 'peraltices familiares' com dinheiro público

O prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB), continua colaborando, mesmo indiretamente, com a coleção de traquinagens familiares que marcam sua passagem pela administração municipal. Quando não é um fato que ele próprio protagoniza – como na nomeação da esposa ou na contratação da empresa de um irmão -, são os familiares que dão a ele a contribuição a esses capítulos tão vexatórios para a cidade.

Desta vez o absurdo foi encontrado no conteúdo da listagem do governo federal contendo os nomes de pessoas atendidas com o auxílio emergencial de R$ 600,00 que foi criado para socorrer os segmentos da sociedade mais prejudicados pela pandemia da Covid-19. Fazem parte deste segmento as pessoas que, em geral, perderam suas fontes de subsistência e não têm meios de gerar renda enquanto persiste a crise pandêmica.

Os corumbaenses, no entanto, conferiram a lista e estranharam a presença de nomes muito conhecidos na cidade e que, em princípio, não se enquadram nos critérios estabelecidos pelo governo para recebimento do benefício. Esses nomes, coincidência ou não, são de familiares do prefeito, os seus irmãos Ernani Aguilar Iunes e Josefina Aguilar Iunes, além da sogra e do cunhado, Ana Célia Balancieri e Anando André Balancieri.

Denunciados pela própria população, os familiares diretos de Iunes resolveram devolver o dinheiro. Cada devolução foi de R$ 1,2 mil, o que faz deduzir que já haviam sido pagos dois meses do auxílio. Marcelo Iunes foi enfático ao garantir que não houve má-fé e nem dolo, explicando que a irmã está desempregada e o irmão não tem um vínculo empregatício formal, fazendo parte, assim, do grupo de pessoas atendidas pelo auxílio emergencial.

Dinheiro devolvido, explicação dada e o prefeito corumbaense continua na mira dos questionamentos. Afinal, seus precedentes são implacáveis. Entre outras ações de favorecimento familiar com verba pública estão a contratação, sem processo licitatório, de uma empresa de seu irmão, José Batista Iunes, para a qual a prefeitura desembolsou R$ 982 mil – quase R$ 1 milhão; e a nomeação da mulher, do irmão e do cunhado para cargos de primeiro escalão. Os protestos da sociedade e as intervenções do Ministério Publico levaram o prefeito a revogar algumas dessas decisões.