09 de agosto de 2022
Campo Grande 21º 17º

PIVÔ DO LARANJAL

Assessor de ex-ministro de Bolsonaro é encontrado morto

Teria passado mal na última noite (4.jan), vomitando sangue

A- A+

Haissender Souza de Paulo, de 33 anos, ex-assessor do ex-ministro do Turismo do governo de Jair Bolsonaro (PL) e deputado federal Marcelo Álvaro Antônio, acusado pela Polícia Federal (PF) de ser o operador do Escândalo do Laranjal do PSL, um esquema de desvio de verbas de campanha na eleição de 2018, foi encontrado morto nesta quarta-feira (5.jan.22) numa propriedade de sua família em Aimorés (MG).

De acordo com pessoas da região, ele teria sido encontrado desorientado há alguns dias, perambulando pelas ruas de Governador Valadares (MG), a 180 km de Aimorés, também na região do Vale do Rio Doce, o que motivou a realização de um vídeo que foi postado nas redes sociais no intuito de localizar algum parente do ex-assessor parlamentar.

Encontrado pelos familiares e de volta à cidade natal, Haissander teria passado mal na última noite (4.jan) e vomitando sangue, o que o levou a buscar ajuda num hospital local. Após ser medicado e liberado, ele voltou para a residência de sua família e para ser encontrado já sem vida na manhã desta quarta-feira (5.jan).

A mãe dele disse à polícia que buscou o filho em Governador Valadares para cuidá-lo, pois "estava tendo alucinações, era hipertenso e ultimamente estava se automedicando com remédios para dormir".

No sábado (1º.jan.22), Haissander foi preso na BR-116, em Governador Valadares, suspeito de extorsão de dinheiro. Segundo a polícia, ele teria furtado um celular e depois exigido R$ 600 para devolver o aparelho ao dono.

O homem que fez a denúncia disse que estava no carro, reclinou a poltrona, colocou o celular sobre a barriga e cochilou. Quando acordou, o aparelho já não estava mais lá.

Logo depois, ele chamou um amigo que estava próximo e pediu a ele para ligar para o número do celular. A pessoa que atendeu, que no caso era Haissander, marcou um encontro para entregar o aparelho.

Ainda de acordo com a polícia, ao chegar no local, ele disse que era delegado da Polícia Federal e exigiu o pagamento de R$ 600, mostrando uma arma na cintura.

O amigo da vítima, que estava em uma caminhonete, percebeu o que estava acontecendo e conseguiu avisar a polícia do caso.

Os militares abordaram o carro onde estavam Haissander e a vítima. Eles constataram que a arma não era verdadeira, porém Haissander foi detido pela denúncia de extorsão de dinheiro.

Haissander, que era considerado homem de confiança de Marcelo Álvaro, ficou nacionalmente conhecido no escândalo de candidaturas laranjas do PSL, em Minas Gerais. Segundo a Polícia Federal, o partido usou de candidaturas de fachada para desviar recursos do fundo eleitoral.

De acordo com as investigações da PF, ele também cobrava das candidatas suspeitas a devolução de verba pública de campanha para destiná-la a uma empresa ligada a outro assessor político. A proximidade do ex-ministro com os demais investigados foi fundamental para o seu indiciamento.