27 de fevereiro de 2021
Campo Grande 32º 22º

Reajuste de 2,79%

Bernal culpa Câmara e apresenta projeto de reajuste para servidores

O prefeito Alcides Bernal (PP) divulgou em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (6) para divulgar o novo reajuste a ser oferecido aos servidores municipais. Ontem (5) mediante a não aprovação da proposta, de reajuste de 9,57% escalonados aos servidores, na Câmara o prefeito anunciou que o reajuste será de 2,79%.

A explicação apresentada pelo Procurador Geral do Município, Denir de Souza, é que devido ao período eleitoral a lei proíbe o reajuste acima do índice no ano em curso. Segundo ele a Câmara esqueceu-se do artigo 44 da Lei do município veda a apresentação do índice e que agora o reajuste é de 2,79%.

Bernal disse que a culpa foi dos vereadores por não apresentarem uma emenda aditiva ao projeto enviado ao legislativo. A Câmara rebate dizendo que houve demora na entrega do conteúdo do texto enviado.

Durante a sessão de ontem na Câmara, o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande (Sisem), Marcos Tabosa, pedia que o projeto não fosse votado da forma como havia sido enviado, afirmando que o texto não continha Bolsa Alimentação, adicionais de produtividade e insalubridade, além de outras garantias à categoria.

Segundo Tabosa, o Projeto de Lei encaminhado nesta terça para Câmara não contempla recomposição da inflação de abril e não inclui aumento benefícios defasados desde 2015. De acordo com ele, as categorias cobram aumento de 110 % do Bolsa Alimentação, 65% do Pró-Funcionário, 20% de insalubridade para merendeiras e projeto específico de reajuste salarial para agentes de saúde. 

Bernal mencionou o presidente da Sisem para explicar o que ele chamou de uma tentativa de “camuflar e manipular massa de manobra”. Agora com o início do período eleitoral as negociações salariais só devem ser retomadas em 2017.

A prefeitura divulgou nota em que diz: "Em setembro de 2015 a realidade da prefeitura era de uma grave crise financeira, com salários parcelados, falta de recursos para pagar o décimo terceiro e servidores sem aumento. Com trabalho austero e eficiente, a administração municipal está conseguindo vencer a crise e após um amplo estudo e diáologo com as categorias, ofereceu um aumento salarial de 9,57%, um dos maiores do país. A câmara municipal rejeitou a proposta, por isso o reajuste será de apenas 2,79%, de acordo com o que a lei eleitoral estabelece. Este é um grande prejuízo para os servidores municipais e para a cidade como um todo. A administração municipal continuará seu trabalho para recuperar campo grande e está aberta ao diálogo e à disposição para esclarecer qualquer dúvida".