24 de outubro de 2020
Campo Grande 29º 23º

Bernal poderá ser ouvido pela polícia, afirma delegado

O delegado Fernando Nogueira afirmou que os fatos devem ser constatados e materializados após um levantamento feito por dois peritos e quatro papiloscopistas que já estão na prefeitura municipal de Campo Grande. Dessa forma, o delegado confirma a possibilidade de ouvir as pessoas que estavam na prefeitura na tarde de ontem, entre elas, até mesmo o ex-prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP). “Antes de ouvir as pessoas que estavam aqui, serão constatados e materializados os fatos. Chamamos os peritos e os papiloscopistas e será apurado se houve a subtração de documentos e as dimensões do ato serão delimitadas, para depois ouvir as pessoas. Depois de todo o trâmite, existe a possibilidade de ouvir Alcides Bernal”, explica o delegado. A coordenadora da Cecom (Central de Compras), Veridiana Alves, afirma que mesas e cadeiras foram destruídas e diversos equipamentos e documentos desapareceram da prefeitura. “CPU com pregões foram subtraídos, pastas lacradas da CPI da Publicidade foram deslacradas, cadeiras e mesas foram quebradas. No total, 10 processos que continham licitações para saúde e educação sumiram. A marmita de alguns funcionários, self service da Agetran, processos do PAC foram mexidos. A maior violação foi a CPI da Publicidade, que provavelmente terá que fazer uma licitação emergencial referente à publicidade”, diz Vereidiana. Diante disso, o delegado Fernando Nogueira disse que não viu as mesas e cadeiras que foram destruídas, mas ressalta que algumas portas da prefeitura que estavam foram arrombadas. Ao contrário do que foi dito pelo secretário de administração Valtemir Alves de Brito, de que existem 50 BO (Boletim de Ocorrência) registrados pelos servidores agredidos na tarde de ontem, apenas cinco chegaram até o delegado Fernando Nogueira. “Até agora de manhã cinco boletins chegaram cinco boletins de ocorrência sobre o caso, mas existe a possibilidade de alguns servidores terem registrado BO em outras delegacias”, explica o delegado. Dany Nascimento e Tayná Biazus